Redação JM Notícia

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, acredita que a licença-maternidade deveria ser 12 meses e a licença-paternidade de dois a três meses.

A declaração foi dada por ela em entrevista ao UOL e ao jornal Folha de São Paulo, levantando um debate os direitos trabalhistas para mães e pais.

“Defendo mais tempo da mãe com a criança em casa”, disse Damares que sabe que as empresas não aceitarão pagar por tanto tempo para que uma funcionária fique em casa, cuidando do seu filho.

“Essa ainda não é a realidade do Brasil, mas devemos lutar por isso. Um ano para mim é o que considero adequado. Para o pai, de dois a três meses”, completou a ministra.

Segundo ela, há inúmeras propostas no Congresso para aumentar esses períodos e que esses temas fazem parte das políticas públicas que visam fortalecer a família.

Janaina Paschoal acredita que maior tempo de licença é ruim para as mulheres

Ainda que as mães desejem passar mais tempo com os filhos, ampliar a licença-maternidade pode ser prejudicial à mulher, é o que diz a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL), de São Paulo.

VEJA TAMBÉM
Tocantins registra queda na taxa de desemprego

“Creio que tal modificação findaria por prejudicar as próprias mulheres, que deixariam de ser contratadas. Fatalmente, o prejuízo à carreira das mulheres implicaria prejuízo às próprias crianças, pois muitos lares são sustentados, exclusivamente, por mulheres. Podemos até pensar em estímulos para que mulheres com filhos pequenos possam trabalhar meio período”, escreveu ela no Twitter.