Da redação

Os participantes assistem durante a conferência Evangelicals for Life 2019 na McLean Bible Church em McLean, Virgínia, em 16 de janeiro de 2019. | FOTO: ERLC

Americanos com crenças evangélicas são mais propensos a se preocupar politicamente com questões de saúde e econômicas do que com questões tipicamente associadas a engajamento político evangélico, como liberdade religiosa e aborto, segundo uma nova pesquisa.

+ Cresce número de jovens que abandonam as igrejas nos EUA

+ Pastores nos EUA são treinados para concorrer a cargos políticos

“Nossos entrevistados nos surpreenderam com o quão pouco pareciam se importar com causas estereotipicamente evangélicas”, escreveu Paul Miller, professor da Universidade de Georgetown, em um white paper analisando as descobertas da pesquisa publicada pela Comissão de Ética e Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul.

A LifeWay Research divulgou uma nova pesquisa  este mês, patrocinada pela ERLC, explorando as opiniões dos evangélicos americanos sobre política, civilidade social, consumo de mídia e seu envolvimento com aqueles que têm idéias políticas opostas. 

A pesquisa foi realizada em novembro passado e incluiu respostas de 1.317 entrevistados evangélicos que foram selecionados para distinguir entre entrevistados com crenças evangélicas (933) e entrevistados que se identificaram como cristãos evangélicos (1.001). 

VEJA TAMBÉM
Pastor perdoa vândalos que destruíram igreja: "Deus ainda te ama"

Solicitou-se aos entrevistados que identificassem três preocupações de políticas públicas que “são mais importantes para você”. 

A principal resposta para os evangélicos auto-identificados e para os entrevistados com crenças evangélicas foi “assistência médica” (51%). A segunda resposta mais comum (49% para os que se identificaram e 46% daqueles com crenças evangélicas) foi “a economia”.

O resultado surpreendeu e mostrou que evangélicos norte-americanos parecem ter uma visão de mundo mais centrada em seu eu, em detrimento de causas mais coletivas.

E no Brasil?