Da redação

Foto: Ascom – Prefeitura de Araguaína / DINO


As primeiras cirurgias cardíacas infantis congênitas no Tocantins foram realizadas no último dia 27 de setembro no Hospital Municipal de Araguaína, que está sob a gestão do Instituto Saúde e Cidadania – ISAC. Com esse feito, o Tocantins passa a ser um dos estados a realizar procedimentos como esse, que são considerados de alta complexidade, contribuindo para o processo de regionalização dos serviços.

Araguaína passa a ganhar destaque no Estado por receber cirurgias dessa natureza, já que em todo o sistema de saúde do Tocantins, seja na rede pública ou privada, não existia nenhum serviço de cirurgia cardíaca pediátrica estruturado.

Equipe capacitada

Vinte profissionais formaram a equipe multidisciplinar responsável pelas cirurgias, que foram realizadas pelo cirurgião cardíaco Dr. Arthur Henrique de Souza, acompanhado do também cirurgião cardíaco João Alberto Pansani.

O serviço de cardiologia do Hospital cuidou de todo o fluxo do paciente, desde a seleção e realização do pré-operatório até o pós-operatório. Os pacientes receberam atendimento imediato após a cirurgia na UTI Pediátrica que é coordenada pelo médico cardiologista e chefe do serviço de cardiologia Dr. Márcio Brito, além da participação dos demais profissionais da unidade.

VEJA TAMBÉM
PL do deputado Eli Borges obriga planos de saúde a reembolsarem gastos extras com doenças degenerativas

Pactuação

O Governo do Estado e a Prefeitura de Araguaína firmaram um Termo de Cooperação para viabilizar a realização de cirurgias cardíacas infantis congênitas no Hospital Municipal, referência no atendimento pediátrico para o norte do Tocantins.

O Instituto Saúde e Cidadania – ISAC, responsável pela gestão da unidade, foi fundamental nesse processo e será o executor de todos os procedimentos.
O prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas, pontua que Araguaína segue se destacando como um polo de saúde.

“A cada dia Araguaína amplia o atendimento médico hospitalar. Além de atrair médicos especialistas, forma excelentes profissionais nos dois cursos de medicina, da UFT e do Unitpac”, frisa o prefeito.

Fila de espera

Existem no Brasil poucos centros de tratamentos cardíacos infantis, sendo apenas 2 na região norte do país, o que acaba aumentando a fila de espera por uma cirurgia. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, de 2016 a 2018, o Estado do Tocantins gastou cerca de R$ 10 milhões com a transferência de 56 crianças para outros Estados para cirurgias cardíacas e por meio de decisão judicial. Já os pacientes regulados foram 136 nesse mesmo período.

VEJA TAMBÉM
Vereadores reclamam da redução da carga horária dos postos de saúde em Palmas

“A partir de agora, as cirurgias cardíacas pediátricas passam a ser realizadas em território tocantinense, sem a necessidade de deslocamentos para outros estados. Esse atendimento no domicílio proporciona aos pacientes e seus acompanhantes uma melhora significativa na qualidade do serviço prestado, além da redução de gastos com a realização das cirurgias dentro do Estado”, ressalta o secretário estadual da saúde, Dr. Edgar Tollini.

(Com Terra)