Da redação

“Deus falou para ter paciência, que o melhor estava por vir. E hoje eu posso contar que o melhor aconteceu na minha vida”, disse o jogador do flamengo

Um dos destaques do Flamengo líder do Campeonato Brasileiro e semifinalista da Libertadores, Bruno Henrique vive a melhor fase de sua carreira aos 28 anos e testemunhou um pouco de sua caminha no esporte e também sobre sua vida com Deus em um encontro.

Evangélico, Bruno foi convidado a palestrar para cerca de 400 pessoas na noite de segunda-feira, no “Craques da Paz”, evento beneficente na Igreja do Recreio, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Em bate-papo com o pastor e ex-jogador Ricardo Pinudo, o atacante lembrou dificuldades da carreira, disse já ter sido alvo de “macumbaria” – oferenda para orixás –, revelou lição de vida, exaltou o clube e mirou os títulos em disputa:

– Sei da importância que é estar no caminho de Deus., minha família é toda da igreja. Vou contar um testemunho do que aconteceu comigo em 2017 no Santos. Estava no auge, cotado para Seleção, para times grandes da Europa… E no primeiro jogo do Paulista me machuquei. Tive uma lesão na vista que me deixou afastado por sete meses. Fiquei pensando: por que tinha acontecido isso comigo? A gente não deve justificar com Deus quando as coisas acontecem. Hoje entendi o por que.

Fizeram “macumbaria” para não chegar no meu sucesso. Deus falou para ter paciência, que o melhor estava por vir. E hoje eu posso contar que o melhor aconteceu na minha vida: ter sido chamado para a Seleção e jogando no melhor time do mundo. Não conquistei nada ainda, mas se Deus quiser vai ser coroado com chave de ouro esse ano.”

Bruno Henrique abriu o coração em palestra e relatou dificuldades — Foto: Érica Matos / Igreja do Recreio

Bruno Henrique levou uma camisa para ser sorteada no evento, distribuiu autógrafos e tirou foto com o público. O projeto “Craques da Paz” foi criado em 2015 e realiza fóruns de debates, visitas aos clubes, palestras, jogos beneficentes, e eventos de ordem filantrópica para promover a paz através do futebol.