Da redação

Muitos membros fugiram do prédio com medo, enquanto outros foram arrastados à força

Imagens surpreendentes das autoridades argelinas surgiram fechando os cultos da igreja, espancando pastores e removendo a congregação de seus locais de culto.

Em imagens compartilhadas pela instituição de caridade cristã Open Doors, a polícia pode ser vista pavimentando os lugares como parte de uma campanha ordenada pelo estado para fechar muitas das maiores igrejas protestantes do país.

Na cidade de Tizi-Ouzou, uma das cidades mais populosas da Argélia, a Igreja do Evangelho Pleno, com 700 membros, foi invadida e rapidamente fechada pelas autoridades do governo na semana passada.

Autoridades do governo disseram aos membros que fechará na quarta-feira. Mas na terça-feira, quando os paroquianos se reuniram para orar e adorar, oficiais da guarda nacional invadiram o prédio.

Muitos membros fugiram do prédio com medo, enquanto outros foram arrastados à força. O pastor Salah Chalah, que administra as igrejas protestantes na Argélia, tentou intervir e proteger seu rebanho, mas a polícia o espancou sumariamente.

Chalah disse ao  Morning Star News  que “a polícia interveio para nos forçar a sair de nossa igreja, uma igreja que existe e está ativa legalmente e à luz desde 1996”.

VEJA TAMBÉM
Perseguição: outra igreja é fechada na Argélia

“Faz 23 anos que existimos a olho nu; Por que esperar até hoje para fazer isso? Que todos saibam que fomos espancados e abusados, inclusive nossas irmãs, em nossas próprias instalações por apenas um motivo: nossa fé cristã ”, acrescentou. “E como essa é a causa de nossa dor, estamos orgulhosos disso.”

No mesmo dia, a Igreja da Fonte da Vida, com 500 membros em Makoud, também foi fechada.

As imagens da operação mostram membros cantando “Aleluia” quando a polícia invadiu o local.

Em um comunicado, o pastor da igreja, Nourredine Benzid, disse que “ele nunca pensou que um dia os locais de culto pudessem ser invadidos pelos elementos dos serviços de segurança com suas armas na frente de crianças, mulheres, idosos e jovens”.

“É inimaginável e inaceitável no século 21 ver uma cena desse tipo em um local de culto e diante do povo pacifista”, acrescentou.

Um país de maioria muçulmana, as leis de blasfêmia da Argélia tornam a prática do cristianismo extremamente perigosa. Além disso, as igrejas são perseguidas por não se registrarem em uma agência oficial do governo que supostamente regula o culto não islâmico. Na realidade, eles são frequentemente rejeitados quando tentam se tornar “oficiais” aos olhos do governo.

VEJA TAMBÉM
Cristão é condenado por causa de uma postagem no Facebook na Argélia

Das 46 congregações protestantes no país, cerca de 15 foram fechadas desde o início do ano passado.

Segundo a   Open Doors USA  , existem apenas 125.000 cristãos entre uma população de mais de 42 milhões.

What Christian persecution looks like in Algeria

This is what Christian persecution looks like in #Algeria where the state has launched a campaign to close churches. Yesterday, police unexpectedly showed up at this church and at one point, brutally beat the pastor and other believers.This video was captured by church members in the largest church in Tizi Ouzou, one of Algeria’s major cities. The church has been closed. #Pray with us for Algerian Christians who live under constant threat.

Posted by Open Doors USA on Wednesday, October 16, 2019