Da redação

Segundo dados da Secretaria de Habitação de Palmas, o déficit habitacional atual é de mais de 14.368 moradias

Aproximadamente 17 mil pessoas estão cadastradas em programas habitacionais, esperando por uma moradia em Palmas. Enquanto isso, o número de habitações sendo construídas não ultrapassa os 2,7 mil. O vendedor ambulante Gildásio de Sousa, por exemplo, sonha com a casa própria há 12 anos.

+ Palmas: 673 famílias podem perder moradia por pendências no cadastro, alerta prefeitura

Ele se inscreveu no cadastro da prefeitura e nos últimos anos achou que enfim daria certo. “Você tendo um emprego fixo conta com aqueles dinheiros todos os meses. Eu, sendo ambulante, tenho que ralar para pagar aluguel, água, luz, tenho filho para dar alimentos. Estou com essa expectativa que agora, com fé em Deus, eu consigo meu apartamento”, disse.

Segundo dados da Secretaria de Habitação de Palmas, o déficit habitacional atual é de mais de 14.368 moradias. Enquanto isso, 10 convênios para construção de moradias populares na capital estão com obras paradas.

Na quadra 408 Norte, por exemplo, existem 120 apartamentos inacabados. Em algumas unidades, têm até árvores crescendo dentro. O investimento seria de mais de R$ 4 milhões e tudo deveria ter ficado pronto há seis anos de acordo com relatório do Tribunal de Contas.

Na quadra 1.306 Sul, prédios foram construídos pela metade. As habitações chegaram a ser invadidas. São dezenas de blocos na mesma situação.

A Prefeitura de Palmas finalizou recentemente a obra de 120 apartamentos. O sorteio destas moradias ocorreu na tarde desta terça-feira (29), quando o secretário de habitação disse que mais de seiscentas moradias no local foram finalizadas.

“Estamos com as famílias para organizar a entrega de mais um conjunto habitacional para esse ano e temos mais dois em construção. Os demais conjuntos habitacionais, conforme a disponibilidade orçamentaria, nós estamos retomando aos poucos porque tem a contrapartida do município que tem que ser inserida nessas obras. Não adianta retomar e ter que parar lá na frente”, explicou o secretário Fábio Frantz.

(Com G1 TO)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here