Redação JM Notícia

O deputado federal Eli Borges (SD-TO) se manifestou em defesa dos consumidores brasileiros e cobrou da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a explicação para os valores altos que são cobrados pela energia no país.

“Todas as vezes que entrei em debate com a Aneel eu sai inseguro. Eu sai consciente de que a ANEEL está mais ligada às concessionárias que ao consumidor”.

Nesta quarta-feira (30) os deputados da Comissão de Minas e Energia criticaram a intenção da Aneel de taxar energia solar. Eli Borges lembrou que o Brasil é o sexto país com a energia mais cara do mundo, enquanto que a Alemanha, que produz energia mais cara e está no 12º lugar por não cobrar um valor tão alto de seus consumidores.

Eli Borges reclama das taxas e diz que, se continuar assim, o Brasil vai começar a taxar o oxigênio que respiramos, por isso o parlamentar tocantinense se colocou em favor dos brasileiros.

“A Aneel precisa rever seus conceitos sim e ela precisa começar a a dar satisfação para o consumidor da ponta. Não se justifica esse aumento de energia, aumento acima da inflação em um país que, graças a Deus, tem potencial hídrico e energia mais fácil em relação a outros países”.

VEJA TAMBÉM
Relator do PL 'Palmas Solar', pastor João Campos soma esforços para o uso de energia solar no TO

Eli Borges questionou o diretor da Aneel, Rodrigo Limp, se de fato há previsão de taxar a energia solar. “O brasileiro não aguenta mais pagar imposto”, disse ele. “O Brasil é o que mais cobra e o que menos devolve ao brasileiro em índice de desenvolvimento humano”.

Entenda

Uma resolução de 2012 da Aneel autoriza o consumidor a realizar microgeração de energia, tanto para consumir quanto para injetar de volta na rede de distribuição.

A resolução também estabelece subsídios para incentivar a microgeração, como, por exemplo, a isenção do pagamento de tarifas pelo uso da rede elétrica. Com a consulta pública, a Aneel pretende reduzir gradualmente esses subsídios. Na prática, isso significa taxar esses sistemas individuais.

Hoje, segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o Brasil possui 127 mil sistemas de microgeração distribuída fotovoltaica, equivalentes a 0,2% dos 84,1 milhões de consumidores cativos de energia.

O argumento do diretor da Aneel, Rodrigo Limp, é que a revisão já estava prevista desde 2015 e tem o objetivo de evitar que consumidores não produtores paguem pela geração distribuída. “Essa norma que estamos propondo é pensando nos 83 milhões de consumidores que vão ter uma conta alta para pagar se nada for mudado”, explicou.

VEJA TAMBÉM
Marcus Marcelo quer implantar energia solar nas escolas estaduais

Segundo Limp, o custo do sistema para os demais consumidores foi de R$ 205 mil em 2018 e chegará a R$ 1 bilhão em 2021 e R$ 4 bilhões em 2027.

Assista: