Da redação

Quase 1000 igrejas cristãs (mais de 900) foram destruídas por terroristas do Boko Haram, no norte da Nigéria, como parte da campanha violenta do grupo radical islâmico para expulsar todos os cristãos da região. As informações são da ala juvenil da Associação Cristã da Nigéria (‘CAN’).

+ Terroristas matam brutalmente esposa de pastor na Nigéria

Segundo o relatório da ‘CAN’, a “carnificina” que está sendo promovida contra os cristãos não é “acidental”. A organização argumentou que ataques contínuos nas comunidades de Kaduna, Plateau, Benue e Taraba mostram que a guerra de Boko Haram contra os seguidores de Cristo, que começou em 2009, continua em pleno vigor.

Segundo o jornal ‘Daily Post’, os comentários foram feitos após a reunião do Conselho Executivo Nacional, realizada em Gusau, estado de Zamfara, com o presidente da ala jovem, o evangelista Musa Misal, pedindo a reconstrução de mais de 900 igrejas que foram destruídas.

A ‘CAN’ pediu ainda ao governo nigeriano que intensifique sua proteção aos civis, o que foi repetido por grupos de apoio aos cristãos perseguidos, como a ‘International Christian Concern’.

VEJA TAMBÉM
Terroristas matam 9 fieis que voltavam da igreja após ataque a vilarejo na Nigéria

“Os cristãos continuam a ser o alvo principal e constante de radicais islâmicos, como o Boko Haram e os militantes Fulani sem qualquer esperança de serem protegidos verem a justiça agir com firmeza contra esses crimes”, disse a ICC em nota, referindo-se também aos pastores Fulani Grupo – outro grupo radical islâmico que já teria matado mais de 800 cristãos e muçulmanos moderados, somente no segundo semestre de 2016.

Ligações com o Estado Islâmico

O Boko Haram, que jurou lealdade ao Estado islâmico em 2015, está matando cristãos e muçulmanos moderados em sua guerra contra o governo, atacando vilarejos e cidades, sequestrando mulheres e crianças e forçando também seus reféns (homens, mulheres e crianças) a realizarem ataques suicidas.

Com 180 milhões de habitantes, a população da Nigéria é igualmente dividida entre muçulmanos e cristãos, segundo a Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional, e é composta por mais de 250 grupos étnicos. A maioria da população do norte da Nigéria identifica-se como muçulmana e é majoritariamente do grupo étnico Hausa-Fulani.