Da redação

Quatro mandados de busca e uma prisão estão sendo cumpridos. Fraudes estariam na composição do asfalto construído, que não atendiam os requisitos dos contratos. Foto: Reprodução

Uma operação para combater um esquema de corrupção e desvio de dinheiro público na construção de asfalto foi iniciada na manhã desta segunda-feira (4) pela Polícia Civil. São quatro mandados de busca e apreensão sendo cumpridos na sede da Secretaria da Infraestrutura, Cidades e Habitação e uma prisão em um prédio na orla de Palmas, próximo a Praia da Graciosa.

+ Araguaína: Polícia Civil cumpre mandados contra suspeitos de integrar facções criminosas

As primeiras informações são de que o alvo da prisão é um empreiteiro dono de uma usina de asfalto que teria contratos com o governo estadual e vários municípios do Tocantins para construção de asfalto. Os mandados foram emitidos pela Justiça de Alvorada, no sul do estado.

Essa operação estaria ligada às investigações da operação que levou à prisão temporária de um superintendente da Secretaria de Infraestrutura, Geraldo Pereira da Silva Filho, e da filha dele, em julho deste ano.

A suspeita desta vez é de que a fraude estaria na composição do asfalto aplicado, que não incluía todos os componentes exigidos no contrato, deixando o produto mais barato e sem a qualidade esperada.

VEJA TAMBÉM
Sinpol-TO participa de reunião na Secad e cobra demandas da Polícia Civil

Entenda

Em julho, a Polícia Civil cumpriu durante a operação Via Avaritia mandados de prisão, busca e apreensão em uma operação para investigar fraudes em reformas de imóveis públicos e obras de pavimentação asfáltica. O prejuízo aos cofres públicos pode chegar a R$ 29 milhões.

Entre os objetos do contrato estavam o Palacinho e a Casa Branca, que será residência oficial do governador, além de sete residências rodoviárias no estado.

Estado

Em nota, Palácio negou que o operação tenha cumprido mandado em algum de seus órgãos.

NOTA 

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Comunicação (Secom), informa que não houve cumprimento de mandado de busca e apreensão em nenhum órgão do Governo dentro da investigação da Secretaria de Segurança Pública (SSP) na segunda fase da Operação Via Avaritia.

Secretaria de Estado da Comunicação

(Com G1 TO)