Por Gabriela Melo

O deputado estadual Professor Júnior Geo (PROS) apresentou um requerimento na sessão ordinária dessa quinta-feira, 7, solicitando informações sobre as razões dos atos, que modificaram as titularidades de diversos cargos de Delegado-Chefe das delegacias, publicados no Diário Oficial do Estado do Tocantins nº 5.478 de 06 de novembro de 2019.

“Fui pego com a remoção desses delegados. Essa repressão que se faz à categoria, para mim é uma declaração de medo ao trabalho que a categoria vem desempenhando no Estado do Tocantins.”, ressaltou Geo demonstrando preocupação com as investigações no Tocantins.

Segundo o parlamentar, quando se promove um rompimento de atividades com a remoção e a mudança da pessoa que está à frente de uma investigação, o tempo para colocar outra pessoa que acompanhe e se inteire dos acontecimentos resulta em atrapalhar o desenvolvimento do trabalho.

+ Esquema de corrupção envolvendo gráficas é alvo de operação da PF

+ Delegados tocantinenses se encontram com Moro para tratar de “ingerências políticas” e “atos de perseguição” no estado

VEJA TAMBÉM
TRE-TO abre hoje inscrições para concurso público

Além disso, o deputado mencionou com estranheza a exoneração do delegado responsável por chefiar a Diretoria de Combate à Corrupção (Dracco) que ocorreu na mesma data em que foram deflagradas operações policiais com mandados de busca e apreensão e de prisão temporária de um grande empreiteiro do Estado, investigado pela execução de obras públicas de pavimentação asfáltica.

Entenda

O delegado Evaldo de Oliveira Gomes foi exonerado do cargo de diretor de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado do Tocantins. Ele estava na função há menos de quatro meses e foi exonerado no mesmo dia em que a Polícia Civil deflagrou a segunda fase de uma operação que investiga fraudes em contratos realizados pelo governo estadual.

A delegacia era responsável, entre outras atividades, por investigar políticos suspeitos de corrupção.

Delegado Hudson Guimarães diz que Polícia Civil do Estado está de ‘luto’

Para o delegado da Polícia Civil Hudson Guimarães, que postou vídeo em suas redes sociais, a instituição está de ‘luto’.

“Coincidência ou não a história se repete, mais uma vez a Polícia Civil sofre com a remoção delegados após operação de combate à corrupção aqui no estado do Tocantins. Isso enfraquece as investigações em andamento e cada intervenção do Estado a polícia fica mais prejudicada, até quando vamos conviver com isso?” Questionou Hudson.

Para o delegado a corrupção mata pessoas na fila dos hospitais, tira crianças de escolas, tira oportunidade do cidadão de ter uma vida melhor. “A Polícia tem combatido diuturnamente esse câncer que tanto assola o Estado, temos o reconhecimento da sociedade e para mim é uma enorme satisfação fazer parte dessa instituição e isso tem me motivado a buscar cada vez mais formas de contribuir com a sociedade”, afirmou.

VEJA TAMBÉM
Sindicato dos Bancários realiza assembleia nesta 5ª e greve deve iniciar na próxima semana

 —