A senadora Simone Tebet (MDB), presidente da CCJ do Senado, prometeu pautar a PEC da prisão na segunda instância na próxima sessão do colegiado, em data ainda a ser fechada.

Em se confirmando a tendência de aprovação na CCJ, a PEC seguiria para votação, em dois turnos, no plenário do Senado, necessitando do apoio de 49 dos 81 senadores.

Nesta semana, o senador Lasier Martins (Podemos) entregou uma carta — antecipada por O Antagonista aqui — ao presidente do STF, Dias Toffoli, com a assinatura de 43 senadores favoráveis à prisão na segunda instância. Faltariam, portanto, o apoio de 6 senadores para que a PEC passasse no Senado, antes de seguir para a Câmara.

O senador Flávio Bolsonaro (PSL), filho do presidente da República, assinou a carta virtualmente, uma vez que não estava em Brasília nos últimos dias — veja aqui.

Eis, portanto, a lista dos 43:

1. Lasier Martins (Podemos)
2. Izalci Lucas (PSDB)
3. Marcos Rogério (DEM)
4. Zequinha Marinho (PSC)
5. Esperidião Amin (PP)
6. Lucas Barreto (PSD)
7. Leila Barros (PSB)
8. Arolde de Oliveira (PSD)
9. Fabiano Contarato (Rede)
10. Major Olímpio (PSL)
11. Randolfe Rodrigues (Rede)
12. Rodrigo Cunha (PSDB)
13. Jorginho Mello (PL)
14. Jarbas Vasconcelos (MDB)
15. Flávio Arns (Rede)
16. Confúcio Moura (MDB)
17. Reguffe (Podemos)
18. Carlos Viana (PSD)
19. Soraya Thronicke (PSL)
20. Eduardo Girão (Podemos)
21. Oriovisto Guimarães (Podemos)
22. Alessandro Vieira (Cidadania)
23. Eliziane Gama (Cidadania)
24. Simone Tebet (MDB)
25. Luis Carlos Heinze (PP)
26. Plínio Valério (PSDB)
27. Alvaro Dias (Podemos)
28. Mecias de Jesus (Republicanos)
29. Styvenson Valentim (Podemos)
30. Marcos do Val (Podemos)
31. Romário (Podemos)
32. Juíza Selma (Podemos)
33. Elmano Férrer (Podemos)
34. Jorge Kajuru (Cidadania)
35. Mara Gabrilli (PSDB)
36. Mailza Gomes (PP)
37. Marcio Bittar (MDB)
38. Luiz do Carmo (MDB)
39. Vanderlan Cardoso (PP)
40. Tasso Jereissati (PSDB)
41. Maria do Carmo (DEM)
42. Telmário Mota (Pros)
43. Flávio Bolsonaro (PSL)

VEJA TAMBÉM
Eli Borges se compromete a agilizar votação pela prisão em segunda instância: "Supremo não é maior que a sociedade"

Com informações O Antagonista