Da redação

Emissora confirmou cortes e disse que todas as empresas passam por processos: “(…) é natural que se façam ajustes. Na Globo não é diferente”

O novo modelo de gestão do Grupo Globo, anunciado na última sexta-feira (08/11/2019), pode fazer com que 2,5 mil funcionários da empresa sejam demitidos. A partir de janeiro, o Uma Só Globo vai unificar todos os serviços que fazem parte do maior conglomerado de mídia do país, incluindo a TV Globo e todos os canais pagos do Globosat. As informações foram divulgadas pelo site Notícias da TV.

+ Maior rede de lojas de departamentos do Brasil deixa de anunciar na Rede Globo

+ Em defesa de Bolsonaro, empresas anunciam boicote à Globo: ‘desserviço à nação’

Segundo a publicação – que conversou com um ex-diretor de alto escalão da Globo – os números, apesar de alarmantes, representam apenas 16,7% dos 15 mil funcionários da empresa. A redução no número de trabalhadores vai acontecer pelo encerramento de setores e estruturas redundantes, como por exemplo, o departamento de recursos humanos passará a ser apenas um.

Só na semana passada, 300 funcionários ligados aos estúdios Globo, antigo Projac, foram demitidos e outros cortes podem ocorrer nas próximas semanas. Áreas de atividades jurídicas e administrativas devem ser as mais afetadas. De acordo com o site, atores, autores, diretores de novelas e séries, além de jornalistas, não correm riscos.

VEJA TAMBÉM
Michelle Bolsonaro detona Globo: 'calúnias vão cair por terra'

A comunicação da emissora emitiu um comunicado refutando o número de demissões, mas admitiu que os cortes devem ocorrer. “Todas as grandes empresas modernas passam por processos na busca de eficiência e evolução constante e, nesse contexto, é natural que se façam ajustes. Na Globo não é diferente”, afirmou.

A fusão que a empresa passará no próximo ano unificará todos os serviços do Grupo Globo, incluindo: TV Globo, Rádio Globo, todos os canais pagos da Globosat, a plataforma de streaming Globoplay, o site Globo.com e a Som Livre.

(Com Metrópoles)