Imagem meramente ilustrativa

Uma proposta, chamadas por alguns ministros de ‘nada republicana’, será apresentada aos pastores durante Assembleia Geral Extraordinária da Convenção Interestadual de Ministros das Assembleias de Deus do Seta (Ciadseta), em Colinas do Tocantins, no próximo mês, por ocasião da 78ª AGO  da Convenção.

De acordo com a minuta que o JM Notícia teve acesso, será proposta jubilação compulsória aos 70 anos aos ministros, conforme nova proposta de redação dada ao artigo 21 do Estatuto da Entidade. Com isto, mesmo que os pastores gozem de boa saúde e vigor para o exercício das atividades ministeriais, estes serão obrigados a deixar o serviço ministerial do pastoreio e serão automaticamente jubilados, mas sem direito a remuneração.

+ Convenção Ciadseta vai realizar 78ª AGO em Colinas; reeleição sem limites vai entrar em pauta

+ Pastor Flávio Marinho emite nota sobre possível saída da Convenção CEADER e da CGADB

Em média, um pastor/ministro ordenado dedica integralmente 30 a 40 anos de sua vida ao sacerdócio e mesmo com todo essa contribuição agora terá ao fim de seu ministério, caso a proposta seja aprovada, uma jubilação não-remunerada pela Convenção. “Artigo 21, § 2º – A jubilação não gera ao jubilado qualquer direito a recebimento de valores”, diz a redação da minuta.

VEJA TAMBÉM
Ao retornarem de Convenção em Goiânia, três pastores sofrem acidente próximo a Miranorte –TO

Pastores preocupados

A notícia deixou muitos ministros, que se dedicam integralmente ao ministério, preocupados com a nova proposta da Convenção. “Caso seja aprovada a proposta, os futuros pastores precisarão se virar nos trintas para não passarem fome ou ficarem desassistidos durante a velhice, sem rendimentos para a compra de medicamentos e outros gastos necessários que advém devido à idade avançada”, disse um ministro ao JM.

Outro lamentou e disse que com isto a “Convenção diz aos seus ministros que foi bom enquanto duraram os seus serviços ministeriais, mas, que em sua velhice, [eles pastores], não precisam contar com a convenção para a sua sobrevivência”.

“Trabalhe por fora”, diz pastor

Um ministro da Convenção postou áudio em um grupo aconselhando que os novos pastores, daqui pra frente, se preocupem em criar meios de ter uma fonte de renda ao serem jubilados. “Estudem, construam uma kitnet para alugar, tenham um emprego por fora, para que tenham uma velhice mais tranqüila”, disse.

Polêmica

No entanto, a proposta da Comissão não agradou aos novos pastores da Convenção Ciadseta. Um grupo de ministro promete protestar durante a AGE em Colinas do Tocantins.

VEJA TAMBÉM
Pastor é morto a tiros após ser chamado pelo nome na porta de casa

A Convenção Ciadseta é presidida no Tocantins pelo pastor Paulo Martins Neto.

Pastor Paulo Martins Neto é presidente da Convenção Ciadseta e membro do Conselho Fiscal da CGADB

Outras alterações

A Comissão também elaborou outras propostas relevantes para o Estatuto da Ciadseta-TO. Entre elas, uma que afasta das atividades eclesiásticas o ministro que venha ser indiciado em processo criminal .

Confira:

Inclusões das seguintes propostas no Artigo 14 (Deveres do membro da CIADSETA-TO):

XVI- contribuir com o Regime Geral de Previdência Social (INSS);

XVII- desincompatibilizar-se de suas funções eclesiásticasseis meses antes do pleito,sem remuneração, para concorrer cargos eletivos seculares.Caso o Ministro seja presidente de campo, será substituído por indicação do Presidente.

Inclusões propostas no Artigo 15 (Penalidades a que se sujeitam os membros da CIADSETA):

§ 2º Suspensão Temporária

                I – Será afastado de suas atividades, o Ministro que for indiciado em processo criminal, até a conclusão do processo;