Apesar das fintechs, 80% dos depósitos e empréstimos se concentram em poucos bancos.

No ano de 2018, o Banco Central do Brasil, divulgou dados de que apesar de haver uma grande variedade de bancos e instituições financeiras no país, quando se trata de realizar empréstimos, solicitar alguma modalidade de crédito, ou ainda efetuar depósitos, cerca de 84,8 por cento está concentrado nas mãos de cinco bancos.

Segundo o Relatório de Economia Bancária, publicado pelo Banco Central, a cada dez reais emprestados, aproximadamente 8,48 reais eram financiados pelos respectivos bancos: Santander, Itaú Unibanco, Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. 

Em relação aos clientes que estavam ativos completamente, estes cinco maiores bancos tinham a concentração de 81,2% no ano passado. Este valor apresenta uma redução de 1,4 ponto percentual em comparação com o ano anterior de 2017. Então, podemos retificar que a cada dez reais, aproximadamente 8,12 reais estavam nos maiores bancos e instituições brasileiras.

Ainda de acordo com os ativos totais, podemos afirmar que uma parte do mercado que corresponde a 34,5% diminuiu para 32,5% entre os anos de 206 e 2018. Com respeito aos depósitos totais, a redução foi de 47,3% para o valor de 37,7%. Nas operações gerais a variação foi de 41,8% para 39,8%.

Contudo, o Banco Central alegou que sucedeu uma queda recente desta concentração, com ênfase para o Banco do Brasil e para a Caixa Econômica.

Economia e instituições financeiras no Brasil

Apesar do momento atual de crise econômica, em que a economia do Brasil encontra-se paralisada, as instituições financeiras e bancos têm apresentado grande capacidade de continuar adquirindo lucros e investimento. Mesmo com as atuais circunstâncias, não só do Brasil, como da América Latina, na qual encontram-se com muitas dificuldades de se restabelecerem e apesar do aumento constante da taxa de desemprego.

Os lucros destas instituições bancárias aumentaram em 17 por cento em comparação no âmbito anual entre os meses de janeiro e março, momento histórico marcado por agitações políticas, descrédito nas expectativas de crescimento e perda de confiança dos comerciantes e do setor empresarial.

Vale ressaltar que os bancos e instituições financeiras fizeram um registro de lucros até mesmo com o Banco Central, assim a taxa básica dos juros foi preservada, com o seu menor nível considerado em toda a história.

Não obstante a conhecida imagem do setor financeiro brasileiro em angariar investimento financeiro, seu triunfo mediante à um cenário tão difícil e complicado, deixou as autoridades do BC (Banco Central) bastante surpreendidas. O relatório expedido por essas autoridades exibia que a rentabilidade conseguiu voltar aos níveis de antes da retrocessão de 2 anos do país.

Empréstimos pessoais

 Muita gente se pergunta como encontrar o empréstimo mais barato do mercado? Afinal, contratar um empréstimo é muito importante quando se pensa em realizar um investimento para a sua vida, pensado a longo prazo. Como por exemplo: comprar um carro, uma casa, apartamento, pagar uma faculdade ou a educação dos filhos no geral, para começar um empreendimento, seja ele uma empresa ou negócio. Muitos consumidores brasileiros também precisam de empréstimos ou créditos, muitas vezes para conseguir quitar uma dívida.

Hoje em dia, estão presentes no mercado financeiro brasileiro, muitas distintas instituições financeiras e bancos. Cada instituição cobra um valor diferente das taxas bancárias de juros. Esse valor pode ter uma variação considerável e bastante acessível para diversos públicos. Desta forma, para que os cidadãos brasileiros tenham uma ampla visão de todas as opções e partir disso possam tomar uma decisão responsável e consciente, é recomendado que realizem uma boa pesquisa prévia.

A partir de uma abrangente pesquisa, poderá também ser efetuadas comparações entre as diferentes instituições e assim cada consumidor decidirá qual melhor taxa de juros se adapta ao seu bolso e a seu respectivo orçamento. É muito recomendado que essas comparações sejam efetuadas inúmeras vezes, com o intuito de que o cliente possa tirar todas as suas dúvidas com respeito a esse tema.

É orientado também que o consumidor pesquise sobre as modalidades de crédito e empréstimos oferecidos pelo mercado, que são muitas, antes de tomar sua decisão final. Com a finalidade também de encontrar o empréstimo mais barato e conveniente para cada indivíduo. 

Brasil têm spreads altos

Spreads é um termo que é utilizado para demonstrar a diferença entre os valores das taxas de empréstimos ou créditos e das taxas de depósito. Os spreads no Brasil são considerados um dos mais altos do mundo. Segundo dados publicados pelo Banco Mundial, os spreads do país são tidos como os maiores, perdendo somente para Madagascar. Assim, os bancos e instituições financeiras reduziram gastos, fechando cerca de 10% das suas agências físicas a partir do ano de 2014.

As instituições bancárias adquiriram mais lucros, devido ao fato de que passaram a tirar proveito das transações de tesouraria, com as operações de câmbio e de títulos. Esses lucros também foram conquistados por meio das taxas em serviços, como por exemplo, as que são cobradas nos cartões de crédito e nas contas-correntes dos consumidores. Estas taxas cobradas dos cartões e das contas são mais lucrativas do que proporcionar empréstimos.

Estas ações auxiliaram na amenização do impacto do atual contexto histórico-social de desemprego e crise econômica no país. Os índices de desemprego atingiram 25% da força de trabalho no Brasil. Tanto que os analistas, durante doze semanas intermitentes não efetuaram suas previsões sobre o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) no ano de 2019.

Mesmo assim, o lucro líquido do banco Santander e do Banco do Brasil, por exemplo, nos primeiros três meses de 2019, ultrapassaram as expectativas apresentadas pelos meios de comunicação. O banco Itaú conseguiu chegar ao seu maior nível desde o ano de 2015. Ao mesmo tempo, o banco Bradesco, obteve um crescimento de dois dígitos com relação ao crédito em comparação ao ano passado.

Mediante o cenário de crise, o Banco Central tomou algumas decisões com o objetivo de que os spreads bancários fossem reduzidos, tais como o fomento da concorrência e o estabelecimento de uma regulamentação direcionada para o crescimento da indústria de Fintech. No mês de maio deste ano, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou em uma audiência no Congresso Nacional que ainda há medidas a serem tomadas para reduzir os altos custos bancários do país.

No mês de abril o presidente Jair Bolsonaro, havia realizado um pedido ao Banco do Brasil, para que fosse efetuada uma redução das taxas de juros para os empréstimos concedidos ao setor agrícola. Neste momento muitos investidores tiveram receio de uma possível intervenção do presidente no controle das relações financeiras. Porém, o porta-voz do governo, Otávio Rego Barros, afirmou um tempo depois que o atual presidente não executará medidas de intervenções no que está relacionado com as políticas dos juros bancários.

O inegável sucesso financeiro desta esfera demonstra que as instituições financeiras e bancos se transformaram, de certa forma independentes de uma economia momentâneamente frágil. Este fato é favorável ao consumidor brasileiro que poderá desfrutar dos variados serviços proporcionados por este setor de forma satisfatória e de qualidade, tendo acesso a um leque de opções cada vez extenso.

Por esta razão, vale mais uma vez destacar a importância de que seja realizada uma boa pesquisa por parte dos cidadãos brasileiros antes de decidir contratar uma determinada modalidade de crédito ou empréstimo bancário.