Da redação JM

Cristãos se uniram em oração pelas famílias da Argentina, em marcha contra o aborto. (Foto: Fernando De La Orden)

Segundo um estudo do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica (Conicet), a Argentina está se tornando um país mais evangélico, menos católico e com mais pessoas “sem religião”, algo que chama a atenção porque é o país onde nasceu o Papa Francisco.

O médium Infobae destaca que a principal descoberta é a queda sensível da religião católica: os fiéis ao culto do papa Francisco passaram de 76,5 para 62,9% da amostra em apenas 11 anos. Os dados contrastam com o aumento de pessoas “sem religião”, que aumentaram de 11,3 para 18,9%; e dos evangélicos, que cresceram em adeptos de 9 para 15,3 por cento.

+ Bolsonaro fala em criar moeda comum entre Brasil e Argentina: “peso real”

O estudo também afirma que o catolicismo perde terreno. Por outro lado, 2 em cada 10 habitantes do país se definem “sem religião”, sendo a principal característica entre os jovens de 19 a 29 anos, que chega a 24,7%. Isso não significa que ainda haja uma religiosidade significativa entre os argentinos: os fiéis adotam uma espécie de “propriedade religiosa” em que param de frequentar os templos.

“A pesquisa revela que a crença em Deus é de 80%, enquanto estamos em um contexto de descrença nas instituições em geral, das quais as organizações religiosas não estão isentas.” “Nesse sentido, isso poderia explicar por que 60% dos crentes reconhecem que seu relacionamento com Deus eles administram por conta própria e 30% através da participação em um templo ”, disse o diretor de Sociologia, Fortunato Mallimaci, citado por Infobae .

As atitudes religiosas têm alguma correlação de acordo com a demografia do país. Por um lado, as mulheres são aquelas que se identificam com algum credo, enquanto nos homens há uma maioria “sem religião”. Além disso, o nível educacional mais alto tende a impactar uma crença menor em relação a Deus ou alguma divindade institucionalizada, em contraste com pessoas “sem estudos” ou com primárias, que tendem a avançar entre os credos evangélicos.

Em todos os distritos, a proporção de católicos caiu mais de 10 pontos e, em vez disso, os evangélicos foram posicionados com maior presença. Desde 2008, esse tipo de credo cresceu substancialmente na região metropolitana, de 9,1% para 15%; no nordeste da Argentina de 3,2% para 23,1%; enquanto no noroeste passou de 3,7 para 16,9 por cento.

A verdade é que os números sobre religiosidade estão cada vez mais se distanciando dos registros históricos. Segundo o censo de 1947, a proporção de católicos na Argentina atingiu 93,6%, em 1960, 90% e em 2008, 75,5%. O declínio estimado cobre 30 pontos.

(Com CBN)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here