Energisa contesta vereador Filipe Martins sobre corte de energia de igreja: “estava vencida”

A empresa Energisa enviou nota ao JM Notícia rebatendo a informação do vereador Filipe Martins (PSC), que afirmou que a concessionária (Energisa) efetuou corte de energia de uma igreja em Miracema do Tocantins, mesmo com a conta paga.

Segundo a Energisa, o caso citado na reportagem pelo JM Notícia é de uma conta que estava vencida desde 26/8, com reaviso entregue em 10/10. “O corte só foi realizado em 19/11, antes da baixa bancária que identificasse o pagamento realizado pelo cliente em 14/11, estando assim, dentro da legalidade”, disse em nota a empresa.

A empresa afirmou ainda que, a legislação  normatiza que o boleto bancário tem um prazo mínimo, após o pagamento, de 72 horas úteis para baixa. No caso de contas vencidas, o cliente ao efetuar o pagamento deve comunicar à distribuidora, o que não ocorreu com a referida igreja Assembleia de Deus Nação Madureira.

+ Energisa corta energia de igreja em Miracema mesmo com a conta paga; vereador manifestou repúdio

ICMS

Em relação ao ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) também citado, a distribuidora lembra que este é um imposto estadual, cabendo à concessionária apenas cumprir a legislação arrecadando o percentual estipulado e repassando aos cofres públicos.

VEJA TAMBÉM
Energia elétrica vai ficar 10,13% mais cara no Tocantins a partir desta quarta-feira

Isenção

O vereador Filipe Martins tem cobrado com frequência a isenção de impostos para templos religiosos justificando que a própria Constituição Federal garante a desobrigação. Recentemente, ele usou seu tempo na Câmara de Palmas (TO) para questionar a cobrança de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) feitas pela Energisa e BRK, distribuidoras de energia e água no Tocantins.

Filipe Martins

“São duas empresas que descumprem a própria Constituição e andam na contra mão dos anseios da sociedade. As igrejas são instituições que colaboram com o poder público e merecem respeito”, declarou Martins.