Da redação JM

A maioria dos entrevistados disse que “igrejas e outras casas de culto devem se manter afastadas de questões políticas”. Foto: Reprodução

Um ano antes das eleições presidenciais nos Estados Unidos, a maioria dos americanos não gosta de ver imagens como a da evangelista Paula White e outros líderes evangélicos renomados orando ao lado do Presidente Trump, informou uma pesquisa publicada recentemente pela Pew Research Center.

+ Política e religião se misturam? Pastor Yago Martins responde

Segundo a pesquisa informada pelo Foco Evangélico, 63% dizem que “igrejas e outras casas de culto devem se manter afastadas de questões políticas, enquanto 36% dizem que devem expressar suas opiniões sobre questões sociais e políticas do dia-a-dia”.

Enquanto isso, “três quartos do público expressa a opinião de que as igrejas não devem se manifestar a favor de um candidato em detrimento de outro durante as eleições, em contraste com os esforços do presidente Trump de reverter os limites legais existentes nas casas de culto que apoiam os candidatos”.

Além disso, os americanos são mais propensos a dizer que as igrejas e outras casas de culto atualmente têm muita influência na política (37%), em vez de muito pouco (28%), enquanto o restante de um terço (34%) afirma que os grupos religiosos atuais o nível de influência na política é quase certo.

VEJA TAMBÉM
Igreja Católica nos EUA é processada por se recusar a sediar evento LGBT

Atuação positiva

Mais da metade (55%) dos adultos norte-americanos pesquisados ​​tem uma visão favorável sobre o papel das instituições religiosas na vida americana de maneira mais ampla, além da política. Eles acreditam que “igrejas e organizações religiosas fazem mais bem do que mal na sociedade americana”.