Da redação JM

Sessão especial no Senado celebrou os 90 anos de atuação, no território brasileiro, da Assembleia de Deus do Ministério de Madureira. Foto: Conamad

Com maciça presença de lideranças evangélicas, o Senado comemorou os 90 anos da Assembleia de Deus do Ministério de Madureira em sessão especial nesta quinta-feira (12).

A solenidade contou com a participação dos Bispos da Igreja, pastores presidentes de todo o Brasil, pastores dirigentes, membros, além de deputados e senadores. 

Bispo Primaz Dr Manuel Ferreira. Foto: Conamad

Em seus discursos, os convidados defenderam a importância das igrejas por sua obra social e pelo apoio aos valores e sentimentos do povo.

+ 90 anos da Assembleia de Deus Madureira celebrados no Senado

O senador Vanderlan Cardoso (PP-GO), um dos autores do requerimento da sessão, salientou que o trabalho desbravador dos missionários suecos que introduziram a Assembleia de Deus no Brasil segue até os dias atuais. Ele lembrou que, em 1996, foi acolhido por uma igreja simples na qual cresceu muito espiritualmente.

O presidente do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli também esteve presente e recebeu das mãos do Bispo Primaz Dr Manuel Ferreira, uma Bíblia comemorativa dos 90 anos do Ministério de Madureira. Foto: Conamad

— Hoje é reconhecida como o maior ministério evangélico do país, porque a igreja nunca deixou de seguir as palavras “ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda a criatura” — definiu.

Vanderlan também enalteceu a atuação do Congresso na aprovação do PLC 55/2019, que prorrogou a isenção de ICMS sobre templos de qualquer culto e entidades beneficentes de assistência social.

VEJA TAMBÉM
Senado fará audiência pública sobre proposta de criminalizar o funk

Segundo o senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ), a Assembleia de Deus penetrou no “coração do povo de uma nação cristocêntrica” que deve saber recuperar o tempo perdido e enfrentar seus adversários, entre os quais destacou a “ideologia de gênero”.

Bispo Samuel Ferreira. Foto: Conamad

— Neste tempo de desconstrução dos valores histórico-culturais judaico-cristãos, a Assembleia de Deus, em todos os rincões do país, é o sustentáculo da mensagem que preserva as liberdades plenas e o ser humano integral.

O bispo da Assembleia de Deus do Ministério de Madureira Oídes José do Carmo definiu a igreja como a “casa do povo brasileiro” que não faz distinção de raças, classes e idades e enxergou o reconhecimento pelo Senado da “força do Espírito Santo” que conduz seus fiéis. Já o bispo Abner de Cássio Ferreira comparou o novo momento do Brasil à fase “não muito remota” em que os pastores batiam as portas do Congresso e encontravam raros parlamentares evangélicos. Também agradeceram a homenagem o pastor Abinaír Vargas e o bispo Manoel Ferreira, primaz do Ministério de Madureira.

O senador Luiz do Carmo (MDB-GO), coautor do requerimento da sessão, acredita que os evangélicos têm que fazer a diferença na política e trabalhar para o Brasil melhorar.

VEJA TAMBÉM
César Halum quer aprovar projeto de lei que isenta cobrança de imposto de renda sobre 13° e férias do trabalhador

— O Brasil não pode errar. É o momento certo de acertar. E o Senado está contribuindo para a nação ser próspera, verdadeira e cristã.

A Assembleia de Deus foi fundada no dia 15 de novembro de 1911, a partir do trabalho de missionários suecos. Em novembro de 1929 foi fundada a Assembleia de Deus do Ministério de Madureira, no bairro carioca do mesmo nome, que cresceu pelo país.

No requerimento para realização da audiência pública, Luiz do Carmo e Vanderlan destacaram o crescimento da denominação no estado de Goiás, a partir de 1936. Atualmente, estima-se que a Assembleia de Deus do Ministério de Madureira, cujo nome oficial é Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil, tenha cerca de 2,5 milhões de membros no Brasil e exterior.

(Com Agência Senado e Conamad)