O vereador de Palmas (TO) e membro da Comissão da Família da Convenção dos Ministros Evangélicos das Assembleias de Deus Madureira no Estado do Tocantins (CONEMAD/TO), Filipe Martins (PSC) disse que repudia as cotas para para lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexos ofertadas pelo curso de Mestrado em Letras da Universidade Federal do Tocantins (UFT), em Porto Nacional.

O parlamentar entende que destinar vagas aos candidatos LGBTI ofende a ampla concorrência, a moralidade e a legalidade administrativa. Para ele, o que deve estar em evidência é a capacidade do candidato e não sua opção sexual, e esclarece que é contra a oferta de privilégios.

+ Deputado Eli Borges promete acionar a Justiça contra cotas de mestrado para LGBTs na UFT

+ UFT oferece cotas para LGBTI em Mestrado

“Não tenho nada contra os travestis, transexuais, que fique claro, mas porque discriminar o restante da sociedade? Assim teriam que criar cota para obeso, magro, alto, baixo, gestante, lactante, idosos, etc. Justiça é garantir direitos iguais para todos e privilégio especial para ninguém”, explicou.

VEJA TAMBÉM
UFT lança edital do Vestibular 2019 com 943 vagas em 50 cursos

Contra ambulatório para público LGBT

Em 2017,  vereador Filipe Martins (PSC) também criticou a possível  implantação de um ambulatório especializado no atendimento a transexuais e travestis, em Palmas. 

Para o vereador, o artigo 5º da Constituição Federal, deixa claro que: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza”, combinado com o Art. 196 que estabelece: “Saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais que visem a redução do risco de doenças…”. 

O parlamentar apontou que a necessidade urgente da saúde seria a construção de um Hospital Municipal com serviços de primeiros socorros, que segundo ele, resolveria o problema de uma grande demanda na área da saúde. Na época, o prefeito da Capital refutou da decisão.