Redação JM Notícia

Um crime bárbaro chocou os membros da igreja Ground for God’s Gospel Ministries, localizada em Mombaça, Quênia, porque em pleno o culto, o pastor Elijah Misiko matou sua própria esposa, Ann Mughoi, e se matou em seguida.

O comandante da polícia de Mombaça, Julius Kiragu, deu detalhes sobre o que aconteceu naquele dia. “Ele caminhou até a esposa enquanto a igreja estava orando como se quisesse sussurrar algo para ela. Então ele pegou uma das facas e a esfaqueou duas vezes. Ele acreditava que ela estava morta. Ele se esfaqueou três vezes no estômago e cortou a garganta”.

Ann chegou a ser socorrida com vida, mas morreu no hospital. Já o pastor faleceu na hora.

A polícia diz que o casal estava envolvido em uma disputa sobre a liderança e propriedade da igreja.

O relacionamento era conturbado, há três anos Ann havia denunciado seu marido acusando-o de planejar matá-la. Eles se separaram em 2017 e desde então se iniciou a disputa pela propriedade e liderança da igreja.

“Ela estava tentando ficar longe do marido desde o início da disputa pela propriedade da igreja. Eles até relataram o assunto aos líderes da igreja, mas não conseguiram resolver a disputa”, declarou Kiragu à CNN.

VEJA TAMBÉM
Ajudante de pedreiro que confessou ter matado pastor é preso no ES

Na carta de despedida deixada pelo pastor, ele acusa sua ex-esposa de mudar a propriedade da igreja e tirá-lo da documentação. O texto tem 17 páginas e está sendo utilizado para completar a investigação.

+ No Quênia, Universal oferece teste gratuito de HIV a pessoas carentes

+ Fim de semana tenso no Quênia; a igreja está em estado de alerta