“Vamos mudar as leis, mudaremos corações e mentes, e vamos fazer desta uma nação pró-vida”, disse Lipinski. Marcha pela Vida (Foto: CBN News)

A Marcha Nacional pela Vida, nos Estados Unidos, será realizada no National Mall, em Washington, DC, na sexta-feira, 24 de janeiro. Mas Chicago já deu um grande salto, comemorando o March for Life Chicago 2020 no fim de semana passado.

Cerca de 9 mil pessoas foram às ruas defender a vida. “Estou marchando hoje porque entendo que o aborto não capacita as mulheres. O empoderamento não é a destruição da maternidade”, disse uma participante.

+ 42 milhões de assassinatos: o aborto foi a principal causa de morte em 2019

O aborto quase matou a oradora principal, Claire Culwell, e destruiu sua irmã gêmea, que foi rasgada no útero por um procedimento para acabar com suas vidas. Culwell disse: “Estou animado para lutar por crianças como minha irmã gêmea, por mulheres como minha mãe biológica”.

’61 milhões são suficientes ‘

O Dr. Rev. Matthew Harrison, chefe do Sínodo da Igreja Luterana-Missouri, perguntou: “Se estamos fazendo uma cirurgia pré-natal em uma criança em uma sala de cirurgia e desmembrando uma à outra para jogá-la fora, isso não faz sentido, faz sentido? 61 milhões são suficientes, você não acha? “

VEJA TAMBÉM
Mulher que acusou de estupro juiz Brett Kavanaugh nos EUA afirma que mentiu

O legislador pró-vida Daniel Lipinski, um democrata de Illinois, garantiu à multidão que ele e seus aliados no Congresso dos Estados Unidos continuarão a combater o aborto.

“Vamos mudar as leis, mudaremos corações e mentes, e vamos fazer desta uma nação pró-vida”, disse Lipinski.

A obstetra/ginecologista Dra. Karen Deighan, do Centro Médico da Universidade Loyola, declarou: “A ciência está do nosso lado. A vida começa na concepção. Nossas vozes coletivas devem ser ouvidas”.