A ativista cristã Mary Fatemeh Mohammadi foi presa em 12 de janeiro, enquanto protestos ocorriam em Teerã, capital do Irã.

O site do Artigo 18 informa que Mohammadi foi presa perto da Praça Azadi, onde manifestantes protestaram contra o governo iraniano que admitiu ter abatido um avião de passageiros ucraniano.

+ Pastor ligado ao PSOL vai interpretar Jesus em desfile da Mangueira

Vários manifestantes foram presos no domingo passado em várias cidades iranianas, embora não esteja claro se Mohammadi estava participando de alguma das manifestações.

Antes de sua prisão, ele publicou uma série de tweets  nos quais dizia que o povo iraniano estava enfrentando “repressão” e usava hashtags que significavam “supressão é a norma”.

Ele acrescentou que superar a “repressão” é ainda mais difícil quando confrontado com a “forte repressão” de bengalas e gás lacrimogêneo.

Mohammadi disse que o regime iraniano está “institucionalizando falsas crenças por meio de cobertura seletiva da imprensa” e “as mentiras que são maiores e mais repetitivas as tornam mais credíveis”.

VEJA TAMBÉM
EUA x Irã é cenário preparatório de profecia bíblica, diz pastor: “A vinda de Cristo está muito próxima”

Recentemente, a ativista enfrentou uma série de desafios e detenções como resultado de sua conversão do Islã ao Cristianismo e de compartilhar sua fé.

Em julho passado, Mohammadi foi presa depois que foi atacada por uma mulher que foi insultada por sua roupa, relata o HRANA News.

Em 2017, ela foi presa e detida em Teerã, onde foi sentenciada a seis meses de prisão sob a acusação de “pertencer a grupos de proselitismo”, “atividade cristã” e “agir contra a segurança nacional por meio da propaganda contra o regime”.

No mês passado, Mohammdi, uma estudante de inglês, foi expulsa de sua universidade em Teerã, sem uma explicação.

“A negação de direitos básicos e fundamentais, como o direito à educação, pode certamente funcionar como um mecanismo de pressão e é usada como uma alavanca para exercer pressão sobre minorias religiosas e ativistas de direitos humanos, na esperança de que as pessoas interrompem suas atividades e abandonam suas crenças “, afirmou.

“Privar-me da minha educação certamente pretende me pressionar e me silenciar.”

VEJA TAMBÉM
Presidente do Irã declara fim do Estado Islâmico

Segundo o Devoted News, as pessoas que se convertem do Islã enfrentam perseguição por parte do governo e as que praticam sua fé em uma igreja correm risco constante de serem presas.

Sua recente prisão provocou muitas orações nas mídias sociais, muitas elogiando a coragem e a força de Mohammdi.

O reverendo Johnnie Moore twittou: “Deus a ajude e proteja, por favor. Deus, por favor ajude todos como ela.

(Com CBN)