Redação JM Notícia

Quando começa a vida? Nos EUA leis estaduais tentam ampliar o prazo para a permissão do aborto até o momento do nascimento do bebê.

Contrariando as crenças de que crianças nos primeiros meses de gestação não são vidas, uma jornalista dos EUA compartilhou imagens impressionantes de sua filha que nasceu com apenas 31 semanas de gestação.

Kelsey Bolar, escritora sênior do The Daily Signal, usou o dia da Marcha pela Vida, realizada nesta sexta-feira (24) na capital dos EUA para se posicionar contra o aborto.

“Em setembro passado, minha filha nasceu com 31 semanas. Aqui está uma foto nossa, e aqui está uma foto nossa agora. É difícil acreditar que, nesta fase da gravidez, o aborto ainda seja legal em 7 estados e no Distrito da Colômbia. É por isso que eu #stand4life & #MarchForLife”, escreveu.

Bolar compartilhou detalhes de seu tempo na unidade de terapia intensiva neonatal em um artigo publicado no mês passado pelo Federalist. Embora ela tenha dito que nunca desejaria uma experiência na UTIN para ninguém, ela e o marido são gratos pelo “tempo de bônus” que puderam passar com a filha, Scarlett Payton.

VEJA TAMBÉM
Pastor Geremias Couto: 'aprovação de Kavanaugh para a Corte Suprema dos EUA é vitória do conservadorismo'

Ela também é grata pelos avanços médicos e tecnológicos que tornaram possível a sobrevivência da filha:

“É assustador pensar, mas muitas vezes penso: se nosso bebê tivesse nascido há 50 ou 60 anos, talvez não o tivesse feito. Porém, graças à ciência, à medicina e à moderna assistência médica americana de livre mercado, em 28 semanas, mais de 90% dos bebês sobrevivem a um parto prematuro. Em 34 semanas, essas chances aumentam para 99%”, disse ela.