Aluguel da nova sede da Câmara de Palmas está sendo investigado — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

O Ministério Público Estadual está investigando se há ilegalidades no contrato de locação da nova sede da Câmara de Palmas. O prédio fica na quadra 104 Norte e tem 11 pavimentos. O contrato começaria a valer em fevereiro e tem validade até 2025. Inicialmente, segundo o extrato publicado no Diário Oficial, o valor do aluguel seria de R$ 120 mil por mês, mas após uma negociação ele ficou em R$ 95 mil mensais.

O problema apontado pelo MPE é que a contratação foi feita sem licitação com a Marajó Empreendimentos. A empresa pertence a Marilson Farinha, identificado pelos promotores como padrasto de Franklin Douglas, o dono do Grupo Exata. Douglas é investigado pela Polícia Federal na Operação Replicantes, que apura fraudes em contratos do Governo do Estado com gráficas.

+ Pastor Everaldo e José Witzel participam de Encontro Regional do PSC em Palmas nesta sexta, 31

A justificativa da Câmara de Vereadores para a mudança é que o atual prédio pertence a Pascoal Baylon, ex-prefeito de Silvanópolis que foi condenado por irregularidades durante a gestão. Baylon está impedido de fechar contratos com o poder público e por isso a sede do legislativo precisa mudar de lugar. O atual contrato está em nome da mulher de Baylon, que também está impedida judicialmente.

VEJA TAMBÉM
Comissão de Finanças abre prazo para emendas da LOA E PPA

Em nota, a Câmara destacou que houve a renegociação para redução do valor do aluguel e que o novo prédio é maior e tem mais capacidade para abrigar os gabinetes dos 19 vereadores. A nota diz ainda que o imóvel foi escolhida pelo espaço e preço, e não por pertencer a A ou B.

Um dos questionamentos do MP é porque a Câmara não usou o prédio cedido pela Prefeitura de Palmas em 2017 para a construção da sede própria da Casa de Leis. A antiga sede da prefeitura na Praça do Bosque. Na época foi anunciado inclusive que R$ 2 milhões já estavam disponíveis para a revitalização do prédio, que nunca aconteceu.

A nota da Câmara não esclarece porque o prédio não foi usado. A Marajó Empreendimentos Imobiliários não retornou o contato da TV Anhanguera. A defesa de Pascoal Baylon não foi localizada.

(Com TV Anhaguera)