Redação JM Notícia

No começo desta semana a Câmara de Augustinópolis cassou o prefeito Júlio Oliveira (PRB), mas ele se recusa a deixar o cargo.

Suspeito de pagar propina para vereadores aprovarem projetos de seu interesse, Oliveira foi cassado no ano passado, mas conseguiu na Justiça reaver o cargo.

Todavia, a instabilidade política gerada pela nova decisão da Câmara, tomada por 10 vereadores suplentes (que substituem os vereadores presos no mesmo esquema que o prefeito é acusado), está revoltando a população que nesta quarta-feira (12) protestou a favor de Oliveira.

A defesa do político disse que não reconhece a cassação e que entrou na Justiça para garantir a permanência no cargo e pedir anulação da decisão.

“O prefeito não reconhece a cassação realizada no rejulgamento do processo. Houve um arquivamento do processo e ele [o prefeito] sequer foi intimado deste novo julgamento”, explicou o advogado Fábio Alcântara.

Em defesa da Câmara, o presidente Cícero Cruz (PL), afirma que o processo está dentro da lei. “O processo está correto. Simplesmente o que falta é o ex-prefeito Júlio Oliveira desculpar a cadeira para que o vice-prefeito Vanderlei Arruda dê prosseguimento na administração. Ele foi intimado aqui na Câmara mesmo no dia de uma audiência dele”.