Fatemeh Mohamadi denunciou perseguição do governo do Irã aos cristãos locais

Desde o dia 19 de janeiro, a cristã ex-muçulmana, Fatemeh Mohamadi, estava desaparecida no Irã. De acordo com o site inglês Article 18, ela está presa no centro de detenção em Qarchak, que fica ao sul da capital Teerã. A fiança da jovem de 21 anos foi de aproximadamente 2.250 dólares, mais de um ano salarial para um iraniano comum. Durante os esforços dos parentes de conseguir o montante, o caso foi transferido para uma corte superior, que ainda vai decidir sobre a concessão da libertação temporária.

Ainda não há informações precisas sobre por quais acusações a cristã está presa. Outro fato é que ela não teve direito de escolher o próprio advogado. Apesar disso, Mary, como prefere ser chamada desde a conversão, pôde ligar várias vezes para casa e, de acordo com os pais, ela está bem. A jovem foi presa durante um protesto contra a ação do governo em derrubar um avião de passageiros com 176 pessoas, como retaliação ao ataque americano no Iraque, que resultou na morte do general Qassem Soleimani.

VEJA TAMBÉM
Pastor Rodrigo Silva mostra o 'outro lado do Irã'

A Portas Abertas contou um pouco da história da ativista que denunciava as decisões controversas do governo do Irã contra os cidadãos de minorias religiosas, como o cristianismo. Nas redes sociais, ela denunciou a perseguição acadêmica que enfrentou ao ser impedida de fazer as provas e frequentar as aulas na Universidade de Teerã. No dia da detenção, Mary postou sobre a censura enfrentada pela mídia iraniana e acusou as autoridades de usarem os meios de comunicação para iludir a população. Devido às celebrações do 41º aniversário da Revolução Iraniana no dia 11 de fevereiro, e à comemoração do Ano Novo persa em 20 de março, o sistema legal no país está mais lento, por isso não há certeza se Mary será libertada antes ou depois do feriado.