Primeiro dia de aulas no CED 01 da Estrutural, uma das escolas públicas do DF onde foi implementado o modelo cívico-militar.

Duas das três escolas estaduais do Tocantins que aderiram ao programa cívico-militar do Governo Federal ainda têm vagas em aberto para este ano letivo. A Secretaria Estadual de Educação (Seduc) informou que a única que não tem oportunidades em aberto é a Escola Estadual Hercília Carvalho da Silva, de Gurupi, que conta com 407 alunos.

Em Palmas, a Escola Estadual Maria dos Reis Alves Barros atende a 1.764 estudantes e tem 151 vagas disponíveis. Já em Paraíso do Tocantins, a Escola Estadual São José Operário tem 602 estudantes matriculados e 66 vagas abertas.

As três estão na lista de 54 escolas de todo o país que participarão do piloto do programa. A proposta do Governo Federal é usar as Forças Armadas em funções administrativas e na gestão nas escolas com o objetivo de melhorar os resultados das avaliações educacionais. A adesão de estados e municípios é voluntária.

A Seduc disse que estão “em fase de composição das equipes”. Os projetos pedagógicos para o ano também estão sendo elaborados. Segundo a nota, os profissionais que vão atuar no programa estão sendo treinados desde dezembro de 2019.

Segundo o governo local, a implantação será gradativa durante o primeiro semestre de 2020, conforme orientações do Ministério da Educação (MEC). Os estudantes que já estão matriculados nas unidades devem continuar assistindo aulas normalmente.

A ideia do governo federal é ofertar 216 escolas cívico-militares no país até 2023. De acordo com o Ministério da Educação, professores civis continuarão responsáveis pela sala de aula. Atualmente, o Brasil tem 203 escolas desse tipo, em 23 unidades da federação.