Redação JM Notícia

Nesta sexta-feira,28, foi realizado na Unidade Prisional Feminina (UPF) de Palmas um mutirão de saúde. A ação foi promovida pela Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) de Palmas, e teve por intuito levar às reeducandas avaliações médicas, testes rápidos e atendimentos às portadoras de doenças crônicas.

A ação faz parte do projeto Mutirão de Saúde Prisional, organizado pela Superintendência de Administração dos Sistemas Penitenciário e Prisional (Sispen) por meio da Assistência Educacional e Saúde ao Preso e Egresso, que visa realizar atendimentos médicos em todas as 38 unidades prisionais do Estado, em parceria com as secretarias municipais de saúde de cada município.

O médico da Seciju, Osvaldo Pinto Neto, tem acompanhado todos os atendimentos, e explica que as atividades são necessárias para melhorar o atendimento em saúde na unidade. “Nessa ação a gente está identificando as doenças mais prevalentes no sistema penitenciário, buscando assim, implantar iniciativas para poder garantir a qualidade da saúde do público”, ressaltou.

VEJA TAMBÉM
A moradores do Lago Norte, Zé Roberto afirma que Palmas é vitima de especulação imobiliária

Segundo a diretora da unidade, Cristiane Rodrigues de Oliveira, a ação é relevante, pois irá o acesso à saúde das apenadas é garantido pela Lei de Execução Penal. “Esse mutirão é muito importante porque, a partir dele, será feito um levantamento sobre a situação da saúde das internas“, informa.

As reeducandas já são atendidas semanalmente pela equipe da unidade básica de saúde do setor. A enfermeira, Pamela Eva Teixeira de Aguiar, responsável pelo atendimento de saúde da unidade prisional, esclarece que as apenadas passam regularmente por testes rápidos para detecção de doenças sexualmente transmissíveis, hanseníase e demais atendimentos competentes à enfermagem “ Eu faço atendimentos de rastreio nas internas, aí caso seja necessário faço encaminhamento para o especialista”, afirmou a profissional.

Foi a primeira vez que a reeducanda, A. B. M., 25 anos, participou de um mutirão de saúde. “É bom que tragam esse tipo de ação pra gente. O atendimento da equipe foi muito bom”, informa.