O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, defendeu nesta quarta-feira (25) o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro, que fez um pronunciamento criticando medidas de isolamento social adotadas no Brasil contra o novo coronavírus (Covid-19).

Mandetta disse que a quarentena foi pensada de forma “precipitada e desarrumada” e defendeu um melhor diálogo entre o Ministério da Saúde e governadores. 

+ Em decreto, Bolsonaro autoriza funcionamento das igrejas e entidades religiosas: “atividade essencial”

“A saúde não é uma ilha, não vamos tratar isoladamente, não existe só coronavírus. Eu tenho recebido médico que está fechando consultório de pediatria, clínicas de ultrassonografia. A vida continua. Outras doenças acontecem, as pessoas têm necessidades”, afirmou o ministro.

Na ocasião, o ministro também defendeu a reabertura das igrejas, pedindo apenas que os fiéis não se aglomerem. “Oração é bom. Me perguntaram outro dia se as igrejas devem estar abertas ou fechadas. Que fiquem abertas, só não se aglomerem. Mas rezem, orem”, pediu. 

“Fé é um elemento de melhora da alma, do espírito. Pastores, padres, preguem pela televisão, preguem pela internet, as pessoas precisam. Façam suporte telefônico”, acrescentou.

VEJA TAMBÉM
Ministro da Saúde sugere o adiamento das eleições municipais de 2020

(Com Guiame)