Lideranças religiosas e Governo do Distrito Federal (GDF) se reuniram, nesta terça-feira (31/03), para discutir propostas apresentadas a fim de buscar soluções que amenizem os impactos financeiros nas instituições durante a pandemia do coronavírus.

As igrejas e centros espíritas estão proibidos de realizar cerimônias religiosas em função do risco de contágio da doença. O encontro foi mediado pelo chefe da Unidade de Assuntos Religiosos (Unar), Kildare Meira.

+ Em Goiás, Igreja evangélica vai à Justiça para reabrir

Os responsáveis pelos templos sugeriram ajustes no campo financeiro para amenizar os prejuízos provados pela diminuição de doações e dízimos.

Entre as propostas, pediram a prorrogação dos vencimentos das contas de água, esgoto e luz pelo período de seis meses. Ainda solicitaram permissão para funcionamento com 25% da capacidade máximas.

Outra pauta discutida pelos presentes foi a criação de um crédito especial junto ao Banco de Brasília (BRB), com prazo de seis meses para pagar.

As lideranças religiosas afirmaram que estão com dificuldades financeiras, pois têm trabalhado no fornecimento de cestas básicas e itens de prevenção contra a Covid-19, como luvas, máscaras e álcool em gel.

VEJA TAMBÉM
Ciro Gomes compara igrejas a traficantes e diz que evangélicos têm poder de fraudar eleição

(Com Metropoles)