De repente, recebemos uma mensagem de Deus. “Não vamos voltar ao normal. Normal era o problema.”

Por Pablo Marzilli

Tínhamos dito em nossa nota anterior que um vírus (microorganismo) veio mudar nossos padrões sociais, culturais, econômicos, educacionais e religiosos e temo que algumas coisas mudem não por pouco tempo, mas para sempre, e tentarei justificar por que essa afirmação.

O vírus potencializou nossa frieza, nosso individualismo, nosso isolamento real e o virtual. De repente, percebemos que as redes nos forneceriam as únicas possibilidades de contato e (falsa) proximidade; Mas também nos mostra a dura realidade de que a distância social será obrigatória e permanente, pelo menos por um longo período de tempo.

No isolamento social preventivo e obrigatório, percebemos que o tempo é medido não em dinheiro, mas na vida, a famosa frase tempo é dinheiro, que deve mudar para tempo é vida . De fato, a cada minuto que perdemos, a cada minuto que não abraçamos nossos entes queridos, nossos irmãos, que não interagimos com misericórdia e amor, que não alcançamos, que não choramos ou rimos juntos, não vamos mais recuperá-lo.

No nível global, há um debate entre as autoridades de quase todos os países do mundo: favorece a não disseminação do vírus (quarentena, exceto serviços essenciais) ou reativa a economia , mesmo que gradualmente.

Certamente a OMS até o momento [1] adverte que temos 856.775 infectados em todo o mundo e o número está aumentando diariamente e a única vacina no momento é a quarentena, isolamento social, especialmente devido à virulência exponencial das infecções dia após dia.

Estamos vendo os líderes das grandes potências mundiais hesitarem, ir e vir com diferentes medidas, sem reação ou reação tardia, falta de coordenação. Da mesma forma, vemos de maneira gráfica e chocante como os países da América Latina (principalmente), atacam governos corruptos ao longo do tempo, têm um sistema de saúde, econômico, de saúde e educacional que não está preparado para responder e sentir as conseqüências.

Quando olhamos para os números, tendemos a pensar: mas quantos infectados e mortos (isso nos afeta diariamente). No entanto, esquecemos antes de tudo que todos eles têm um nome e sobrenome, todos eles são membros de uma família que nem os vigia , cumprimentam e dão o respeito que merecem no leito de morte e, em segundo lugar, que o próprio vírus está destruindo. Os mitos que são construídos em torno dele não são apenas pessoas idosas, não são apenas pessoas de alto risco, todos somos responsáveis ​​por ele.

Por outro lado, embora seja a coisa correta e necessária, é fácil repetir a partir de um noticiário ” fique em casa “, mas também esquecemos que existem muitas pessoas pobres lotadas , que vivem 5 ou 6 ou mais pessoas em uma ou duas salas e só podem “Descomprimir” a aglomeração de moradias com algumas delas na rua, nos casos de extrema precariedade, sem água corrente ou esgoto, apenas as quarentenas comunitárias podem ser realizadas.

Ou o caso de trabalhadores independentes (mesmo profissionais, comerciantes) que precisam trabalhar para ganhar a vida diariamente e a economia acaba e se perguntam: quanto tempo durará a quarentena? Na melhor das hipóteses, os impostos não param. eles atenuam, e os estados, por mais eficientes que sejam, mostram deficiências para combater o vírus e atender à pandemia.

A resposta mais fácil é a assistência que, no contexto, ajuda, mas cria laços de dependência e vulnerabilidade que prolongam o tempo distorcendo o ecossistema social. Muitas empresas vão derreter, a microeconomia não será capaz de sobreviver se a quarentena for prolongada, mas é verdade que uma economia quebrada pode ser restaurada, mas uma vida cortada não pode ser recuperada. Que dilema.

Tradução: “Tesouro, Coronavírus: tente não colocar a cabeça nas mãos depois de ver as últimas notícias sobre a economia”.

Vinheta retirada de “ A economia de uma pandemia: o caso de Covid-19 ” (LBS) [2]

Talvez valha a pena pensar se o problema nem sempre estava presente e tentamos ignorá-lo , porque era o mais fácil e o Covid-19 apenas o mostrava, potencializava e expunha.

VEJA TAMBÉM
Profissionalização: veja como melhorar o currículo na quarentena

Em um artigo muito interessante publicado no eldiario.es chamado: Causalidade da pandemia, qualidade da catástrofe , Ángel Luis Lara ressalta: ” Não voltaremos à normalidade. A normalidade era o problema “. Em um contexto tão especial, poderíamos supor que a normalidade – como pensávamos – não se recuperará. Capitalismo, socialismo, populismo, parlamentarismo, ditaduras em suas diversas expressões, basicamente todos e cada um deles demonstraram sua ineficiência em atravessar a pandemia , não importando os motivos, apenas os resultados são visíveis, em todos casos trágicos.

As pandemias não são novas na história da humanidade , são basicamente o fruto ou produto da urbanização, dos conglomerados sociais. Nesse sentido, ao longo da história, muitos deles foram significativos: Peste Antonina (165-180 dC), Peste de Justiniano (541-542 dC), Peste Negra (1347-1351), Varíola (1520), Terceira Praga (1855), Gripe Espanhola (1918-1920), HIV / AIDS (de 1981 até o presente). Independentemente da magnitude de cada um (tudo importante), o mundo ressuscitou novamente, mas isso nunca acontece no curto prazo.

Os processos são interrompidos, as normalidades são ressignificadas, a economia cede à importância da vida, o desenvolvimento avança um passo, a medicina ganha mais conhecimento e a história mais uma vez explica a ineficiência dos governos ou impérios de plantão e seus direitos. falta de previsão.

A única constante, como em qualquer grande crise, é Deus que continua a ser um ponto insuperável de referência e esperança . O inalterável ao longo da história é o amor de Deus. Triste é que a igreja o conheça intelectualmente, mas poucos o viveram pragmaticamente.

Pessoalmente, sinto falta da agitação da igreja, dos meninos correndo, dos irmãos conversando no salão da igreja, o que vimos como normal não será mais, pois depois do Covid-19 muitos padrões de contato social mudaram (saudações, beijos abraços, proximidade, entre outros).

De repente, somos todos mães e pais próximos, não temos mais professores, babás, agora temos que cuidar de nossos filhos. O vírus nos forçou a ser famílias que oram juntas, leem a Palavra juntas, brincam juntas, falam, comunicam, para algo natural, para outros toda uma tragédia que foi evitada pela rotina , corrida, trabalho, enfim tudo causas justificadas, mas basicamente todas e cada uma delas se desculpam por não assumir a responsabilidade da família.

Mas, como dissemos na nota anterior , a igreja também recebeu uma forte mensagem de Deus. Todos nós devemos ter aprendido (espero) que a igreja é cada um de nós , que os pastores devem discipular e não simplesmente dirigir, que todos e cada um de nós prestarão contas a Deus pelos fracos, pelos quais não lutamos suficiente para reter, pelo qual partimos a meio caminho, pelo qual negligenciamos.

Espero que a igreja tenha aprendido a não julgar, a não criticar, a não disfarçar a falta de misericórdia com o halo da falsa santidade. Fundamentalmente, espero que tenhamos aprendido que esconder-se dentro de quatro paredes (aconteceu com Israel e a igreja primitiva antes da perseguição) nunca é bom, pois uma lâmpada não está acesa para colocá-la debaixo da mesa.

Talvez tenhamos aprendido que é bom ser próximo, amoroso, compassivo, que, embora seja correto ter uma cultura evangélica (temos nossa própria linguagem, nossos modos, nossos ritos, nossos eventos, nossos rádios, nossa música), essa cultura é sempre uma contracultura ao longo do tempo e no meio de qualquer sociedade e vivemos como Jesus espera, não brincando com o cristianismo, mas sendo discípulos que não precisam ter vergonha.

Jesus sofreu tanto que éramos mornos. Sem dúvida, todos aprendemos que as batalhas da igreja não vencem de pé, mas de joelhos.

Por anos, alguns irmãos passaram mais tempo editando vídeos de pregadores para julgá-lo do que evangelizar, gastamos mais energia em discussões teológicas desnecessárias sobre o tamanho da saia de uma mulher ou se ela pode pintar o cabelo do que abraçar o pecador e dizer a ele que Jesus morreu Por causa dele, naturalizamos críticas e julgamentos antes do amor e da misericórdia, construímos ministérios e, em alguns casos, esquecemos de construir o Reino.

VEJA TAMBÉM
Pandemia: Defensoria orienta renegociação de contratos de aluguel; veja dicas

Por fim, Deus falou com todos nós, e o vírus nos deixou com um sentimento de impotência, vulnerabilidade e fragilidade que nunca tivemos que perder; somos como Jesus diria em Lc 17:10: “Servos inúteis”.

Deixe-me dizer por que haverá uma nova normalidade e eu abro o debate:

  • Haverá uma nova experiência da igreja com relação à soberania e poder de Deus trabalhando no meio da história e particularmente de nossa história.
  • É necessário perseverar na fé ; Mais cedo ou mais tarde, quando chegar o tempo estabelecido por Deus, Ele chamará cada um de nós e devemos estar preparados (será a velhice ou o Covid-19, mas será).
  • O vírus tem uma data de validade, embora certamente não seja imediata.
  • A igreja terá entendido (espero) a importância de não perder tempo com coisas estúpidas , coisas que não se acumulam, ofertas de poder, afastar as pessoas (tempo é vida), ser capaz de fazer como Jesus, sair para encontrá-las.
  • É essencial reconhecer que as pessoas não têm problemas com Deus, elas têm problemas conosco “seus mensageiros” (repetidas vezes ao longo da história após uma crise, a igreja cresceu e se tornou mais forte).
  • Deus falará por meios impensáveis , mas é necessário; Embora permanecemos calados, as pedras proclamarão.
  • O lar (microespaços de interação e treinamento) terá uma espiritualidade diferente e especial.
  • A economia globalizada sofreu um impacto quase mortal e será necessário entender que os padrões econômicos do mundo capitalista mudaram para sempre ; será necessário priorizar a microeconomia para sair da crise. Nas ruas de uma das cidades mais ricas do mundo (Nova York), o exército entrega comida. Esta não é apenas uma questão do terceiro mundo, é uma questão de todo o sistema.
  • Esperemos que os governos dêem maior prioridade à saúde , à pesquisa e em uma etapa pré-educacional do que às despesas supérfluas e desnecessárias.
  • Teremos que resgatar a microeconomia, PME, comerciantes, varejistas, trabalhadores independentes , aqueles que estavam mais desprotegidos e paradoxalmente são os que mantêm o andaime econômico.
  • Novos conceitos trabalhistas foram redefinidos e eles vieram para ficar; “Escritório em casa”, “trabalho remoto”; Será importante que as empresas descartem o conceito de escritório completo.
  • A corrupção mata , e mata em todos os casos, é hora de as pessoas assumirem essa realidade se os governos não o fizerem e aprenderem a votar sabiamente e com os valores cristãos.
  • As diretrizes sociais mudaram , manteremos a distância social, a distância e a virtualidade que no mundo milenar é habitual, mas agora será normal, apesar da diferença de gerações.
  • O modelo pastoral gerencial (que eu temia me ultrapassar) deu origem ao pastoralismo virtual, mas, por sua vez, à responsabilidade individual . Talvez alguns de nós afastássemos os pastores, mas Jesus estava sempre ao nosso lado.
  • Durante muito tempo, não haverá mais eventos maciços , grandes multidões, multidões reunidas (mega-igrejas, estádios, ligas de futebol, shows, etc.). O vírus, sem dúvida, sofrerá uma mutação e isso será necessário. Além disso, os restaurantes com capacidade para 200 pessoas podem trabalhar apenas para 50 ou 70 pessoas ou o que estiver envolvido.

Definitivamente, o mundo não será mais o mesmo, mas sabemos que Deus permanece o mesmo , nele não há sombra de variação ou mudança.

Espero que Covid-19 nos ensine que a igreja não será mais a mesma e talvez Deus, em seu sábio senso de humor, de uma vez por todas nos permita ser, mesmo através de uma pandemia, o que Ele espera de cada um de nós. nós.

Talvez, como João Batista, só possamos mostrar a Jesus, possamos ser tochas acesas que, iluminando-nos, são consumidas por Ele (João 5:35).

[1] Em  de abril de 2020, a OMS indicou que existem 856.775 confirmados com COVID-19, recuperou 178.034 e morreu 42.097.-

[2] Disponível em: https://icsb.org/wp-content/uploads/2020/03/LBS_Covid19_final.pdf.pdf.pdf.pdf.pdf-1.pdf.pdf