Autora do artigo afirma que a crise é o momento certo para as pessoas “se libertarem do lar da família nuclear”

O site de notícias openDemocracy, financiado pelo globalista George Soros, está usando a sensibilidade crescente das pessoas no Reino Unido durante a pandemia de coronavírus chinês para promover uma agenda antifamiliar e pedir que as famílias sejam abolidas.

A openDemocracy publicou um artigo intitulado “A crise do coronavírus mostra que é hora de abolir a família” em seu site, onde a autora Sophie Lewis argumenta contra as deficiências percebidas na família nuclear que supostamente a crise teria exacerbado.

Família nuclear é um termo usado para definir um casal de adultos, homem e mulher, e pode ter qualquer número de crianças. Historicamente, a família nuclear é a unidade familiar predominante e o fundamento de uma sociedade estável.

Sophia Lewis diz no artigo que a crise é o momento certo para as pessoas “se libertarem do lar da família nuclear”.

O artigo afirma que os lares são ambientes inseguros e o coronavírus chinês levará a um aumento no abuso, fazendo fortes alegações de que os domicílios particulares apresentam “estupro de crianças” e “bullying da classe LGBT”.

A autora afirma que pessoas LGBTs não estão seguras dentro de casas.

“O grupo LGBT e especialmente os muito idosos e muito jovens, não estão seguros lá: seu florescimento no lar capitalista é a exceção, não a regra”.

O artigo continua afirmando que as famílias estão repletas de pais patriarcais e os ambientes familiares são inseguros devido à “mistificação da forma de casal; a romantização do parentesco; e a higienização do espaço fundamentalmente inseguro que é propriedade privada”.

O artigo pede principalmente uma série de propostas socialistas, que devem ter precedência sobre a família. Ao mesmo tempo, o artigo também não oferece uma solução real para o que substituiria a unidade da família nuclear.

No artigo, Lewis faz várias outras chamadas à ação:

“Liberte todos os prisioneiros e detidos agora, refaça as instalações de atendimento [para idosos] como espaçosas vilas autolideradas e demita todos os trabalhadores com salário integral, para que possam deixar suas camas para sempre, e vão morar com seus amigos e buscar preguiça por pelo menos na próxima década”.

Não há dúvida de que o #FicaEmCasa podem levar a um aumento nos casos de estresse e, em alguns casos, também de abusos e violência familiar, no entanto, apesar da visão sombria das famílias oferecida pela autora do artigo do openDemocracy, pesquisas mostram que a crise está, na maioria dos casos, realmente aproximando famílias.

Uma pesquisa realizada pela Gallup mostra que quase 9 em cada 10 crianças (89%) relatam sentir “felicidade” ficando em casa com os pais durante a crise do coronavírus chinês.

Além disso, pesquisas substanciais mostram que famílias com um dos pais desaparecidos têm um impacto substancialmente negativo nos resultados das crianças. Criadas em famílias monoparentais, é mais provável que as crianças falhem em progredir na escola e se tornem menos propensas a concluir o ensino médio.

A pesquisa também mostra taxas mais altas de depressão em crianças de famílias monoparentais do que em crianças em uma família nuclear.

Quaisquer alegações de que a abolição da família nuclear seja boa para as crianças parecem ser contestadas por pesquisas que mostram que mesmo a perda de um dos pais tem um efeito dramaticamente negativo nas crianças.

De acordo com dados do openDemocracy, a fundação globalista Open Society Foundation de Soros é um dos principais doadores do site de notícias, que publica uma variedade de material “progressivo”.

Com informações, Remix via Conexão Política

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here