Em uma entrevista coletiva na segunda-feira (13), o governador de Nova York, Andrew Cuomo, afirmou que Deus não tinha nada a ver com o número decrescente de casos de coronavírus em Nova York.

Segundo o The Daily Wire, Cuomo, que se intitula católico romano, afirmou que “o número diminuiu porque diminuímos o número”.

Para rebater opinião de cristãos evangélicos, governador disse que “Deus não fez isso. A fé não fez isso. O destino não fez isso”.

“Muita dor e sofrimento fizeram isso”, continuou o governador democrata. “É assim que funciona. É matemática. E se você não continuar fazendo isso, verá esse número voltar. E isso será uma tragédia se esse número voltar a aumentar”.

Em contraposição às declarações de Cuomo, o presidente dos EUA Donald Trump em outras oportunidades que já creditou a Deus a possibilidade da derrota do vírus.

“Somos um país que, ao longo de nossa história, buscou a Deus proteção e força em tempos como esses. Não importa onde você esteja, encorajo você a se voltar para a oração em um ato de fé. Juntos, vamos facilmente prevalecer!”, declarou Trump em uma publicação no Twitter.

Já no domingo, o presidente proferiu um discurso, no qual destacou a importância da fé em momentos de dificuldade e pediu que o país se mantenha unido para superar a pandemia.

Cuomo tem sido um oponente dos conservadores cristãos. No ano passado, ele assinou uma lei progressiva sobre o aborto que permite abortos até o momento do nascimento. A aprovação do projeto de lei foi comemorada em toda a cidade de Nova York, iluminando vários edifícios, incluindo o One World Trade Center, em rosa.

A resposta de Mark Driscoll à nova lei do estado de Nova York foi tirada de contexto Bíblico.

Com apenas uma pequena anotação manuscrita, o autor e pastor cristão resumiu a verdade sobre o aborto e a destruição que a matança de bebês tem causado em todo o mundo, já desde o tempo do nascimento de Jesus.

“Quando Jesus era bebê, Satanás incitou o governo a matar bebês”, diz a nota. “Novo governo. Os mesmos velhos demônios”.

Cidade de Nova York

Também em Nova York, no mês passado, o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, ameaçou encerrar permanentemente as casas de culto que se recusavam a cumprir as medidas de bloqueio da cidade.

Durante a pandemia do Covid-19, os líderes de todo o país enfrentaram críticas por violar a liberdade religiosa, como proibir os cultos drive-in da igreja e impor restrições aos cultos online.

Em resposta, em uma declaração na terça-feira (14), o procurador-geral William Barr implorou aos líderes e autoridades do governo que parassem de atingir grupos religiosos e casas de culto.

“[Mesmo] em tempos de emergência, quando são impostas restrições razoáveis ​​e temporárias aos direitos, a Primeira Emenda e a lei estatutária federal proíbem a discriminação contra instituições e crentes religiosos”, disse Barr no comunicado.

“Assim, o governo não pode impor restrições especiais à atividade religiosa que também não se apliquem a atividades não religiosas semelhantes”, declarou.

(Com Guiame)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here