O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou todo conteúdo do Edital do Enem Impresso traduzido para Língua Brasileira de Sinais (Libras). Com isso, a comunidade surda e com deficiência auditiva pode conferir o Edital do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 através do canal do Instituto no Youtube.

A proposta faz parte da Política de Acessibilidade e Inclusão do órgão que tem como objetivo garantir que as oportunidades de participação de todos os grupos em seus exames e avaliação sejam amplas. O Inep tem publicado versões dos editais do Enem em libras desde 2013.

Participante com surdez, surdocegueira ou deficiência auditiva deve informar, no ato da inscrição, se utiliza aparelho auditivo ou implante coclear, para que assim, a vistoria no dia da prova seja dispensada. Essa medida foi inserida no último ano e está mantida para este ano também. No momento da inscrição, os estudantes também devem solicitar atendimento especializado e indicar quais itens serão necessários para que ele possa fazer a prova.

VEJA TAMBÉM
Cai número de inscritos no Enem no Estado do Tocantins

O Inep disponibiliza alguns recursos para os alunos com surdez, deficiência auditiva e surdocegueira como: videoprova em Libras, tradutor-intérprete de Libras, leitura labial e tempo adicional. Para comprovar a necessidade dos mecanismos de acessibilidade, o participante precisa apresentar laudos médicos, caso não tenha feito o Enem em anos anteriores utilizando esses recursos.

Há um espaço para atendimento com a denominação de “especializado” neste ano, que pode ser utilizado também para gestantes, lactantes, idosos e estudantes em classe hospitalar. Os participantes que necessitarem de atendimento especializado devem solicitá-lo durante a inscrição. A decisão será divulgada no dia 29 de maio. Caso o pedido seja negado, caberá recurso.

Enem em Libras

O Enem em Libras faz parte da Política de Acessibilidade e Inclusão do Inep e é dirigido à comunidade surda e deficiente auditiva.  Essa atenção diferenciada às pessoas que têm a Língua Brasileira de Sinais (Libras) como sua primeira língua visa garantir a participação desse grupo no exame. Os recursos de acessibilidade, a exemplo da implementação de tradutores e intérpretes estão disponíveis desde o ano 2000 e a videoprova em Libras surgiu para ampliar as ações em 2017.

VEJA TAMBÉM
Governo Bolsonaro: Enem deste ano "não vai cair ideologia"

Em 2018, o Inep lançou o selo Enem em Libras, capaz de identificar todo o conteúdo disponível nessa língua, e também, publicou a primeira versão da Cartilha do Participante – Redação do Enem, acessível a esse público. Neste mesmo ano foi lançada a plataforma  Enem em libras, para os estudantes surdos acessarem o conteúdo no mesmo formato em que as provas são aplicadas. Na plataforma, os participantes também podem assistir aos vídeos das questões e, ainda, conferir o gabarito.

*Com informações do Inep

Fonte: Agência Educa Mais Brasil