Por Robson Ciríaco – O mundo vive uma pandemia (Quando uma doença se propaga e atinge simultaneamente um grande número de pessoas em todo o mundo) e certamente você foi ou será afetado ou pelo vírus ou pela as conseqüência deles na economia, vida social, no dia a dia, etc.

E certamente a igreja que está incluída na sociedade de Duas maneiras sendo a primeira como: Organismo e neste prisma a igreja não é dependente de nenhum órgão, conselho, decreto ou toque de recolher, ou seja, ela está totalmente e exclusivamente dependente de Deus o seu criador.

Já na segunda manifestação como Organização, ela precisa seguir regras, leis, atender a disposições municipais, estaduais e federais, assim como ter personalidade jurídica, pagar seus impostos entre outras obrigações como qualquer instituição têm, acredito que isso é claro pra você leitor. Porém, com o agravamento do vírus em nosso país, alguns estados visando à contenção do vírus, eles adotaram políticas de recomendação para a população, instituições publicas e neste meio está as instituições religiosas evangélicas ou não evangélicas.

Quero lembrar que na grande maioria dos casos as autoridades estão RECOMENDANDO e não proibindo. E como a igreja vive um processo de democracia, é claro que dentro dela surge varias posições diante destas recomendações, desde as mais simples, como as mais radicais, (normal?). Em todo caso partindo destes pressupostos é pecado não ir ao templo, seja por recomendação ou por orientação de seu pastor? Será que um pastor não tem fé quando suspende os cultos? Será que a igreja tem que obedecer a estas recomendações? De pronto penso que em estados onde as autoridades (recomendaram) que não aja aglomerações, a igreja age certa em colaborar com tais orientações.

 Para não ser apenas uma posição pessoal vamos à bíblia (Romanos 13:1-3) o texto reflete sobre a obediência as autoridades governamentais, e uma simples leitura ao texto fica claro isso. Você deve estar se perguntando e se as autoridades me pedirem para fazer o que é mau? Não se preocupem a bíblia também legisla sobre isso, vamos lá: Êxodo 1.15 – 21 este texto agora reflete sobre a desobediência das parteiras as ordens de faraó (autoridade).

 Perceba que no primeiro caso traz a regra, neste segundo caso a exceção, pois aqui as ordens de faraó era matar os filhos dos hebreus que nascesse homem. A conclusão que temos dos dois textos é; Deus constitui autoridades, porem algumas delas se desvirtuam do proposito. Logo essas e não aquelas (Romanos 13:1-3) podem ser desobedecidas.

Então se o estado me PROIBIR (por perseguição) de ir ao templo, posso desobedecer? Sim e se o estado me RECOMENDAR (por questões clara e justificada) a não ir ao templo neste caso posso desobedecer? A recomendação bíblica é que NÃO.

Diante desta crise percebi algo muito preocupante na “nossa fé” e o que foi? É que para alguns SER IGREJA, necessariamente é preciso ir ao templo (ah! antes de tudo, não estou falando dos desigrejados, ok?) o problema me parece mais sério, pois a cada dia muitos tem se tornando igreja apenas quando estão no templo. ISSO É PREOCUPANTE!!! Analisamos então: Diante disso temos duas realidades, a primeira seria “gosto tanto de ir ao templo, que não posso passar nem um dia sem ir” (de verdade, não acredito nesta hipótese) a segunda seria que “DESAPREDEMOS” de ser igreja, quando não estamos no templo. (acho q essa, seria um extrato real). O que seria ser igreja fora do templo? Eu te respondo: Vida de oração, vida de louvor, culto doméstico, leitura bíblica entre outras formas) percebi que a igreja independe do templo!! (ah! antes de tudo, não estou falando dos desigrejados, ok?) Porque não analisamos o que estamos vivendo como uma forma de repensarmos nossa fé.

Preciso fazer uma consideração: Os templos estão “fechados” mais os seus gabinetes estão abertos, pois a igreja (templo) sempre será a porta de refúgio dos necessitados.

Concluindo então, CERTA VEZ o próprio Deus proibiu o seu povo de sair de casa. E interessante salientar que aquela situação seria oportuna para o povo de Israel que estava escravo “debochar” dos egípcios. Mais não foi isso que Deus mandou fazer, ao contrario ficai em vossas casas, passai nos umbrais da porta o sangue do cordeiro, pois o anjo da morte passara a adiante de vós e não lhe sucederá mal algum. Vamos ao texto:

Êxodo 12: 22. Então tomai um molho de hissopo, e molhai-o no sangue que estiver na bacia, e passai-o na verga da porta, e em ambas as ombreiras, do sangue que estiver na bacia; porém nenhum de vós saia da porta da sua casa até à manhã.

Será que Deus estava com medo de faraó, ou dos egípcios? Será que Deus não podia guardar o seu povo na rua? Será que o anjo da morte poderia se enganar e matar algum hebreu que estivesse andando pelas as ruas? A resposta para todas essas indagações é CLARO QUE NÃO. O Ficar em casa era a estratégia. Isso pode simbolizar fé, convicção, confiança, dependência. Nós como igreja precisamos aprender com Jesus em Marcos 13, onde Jesus diante das multidões aflitas, ele toma a mais improvável ação que foi sentar-se por duas vezes. A igreja não precisa alarmar-se, caso contrário ela não será sal e sim mosca.

A pergunta: Em tempos de COVID-19 (Corona Vírus) é pecado ficar em casa e não ir ao templo?

CLARO QUE NÃO….

Pr. Robson Ciríaco

Saiba + Conselho de Pastores quer reabertura das igrejas no DF

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here