“O regime sionista é um câncer mortal e um prejuízo para esta região”, disse líder iraniano no Twitter.

A rede social Twitter não fornece nenhuma explicação razoável sobre o que que define como “glorificação da violência”, mas utilizou esse argumento para censurar, nesta sexta-feira (29), tuítes do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Casa Branca.

Apesar de não ter excluído as publicações, a plataforma impôs restrições na visualização do conteúdo.

+ Brasil e Israel discutem cooperação para combate a coronavírus

Enquanto isso, o Líder Supremo do Irã, Ali Khamenei, tem a liberdade de ameaçar Israel sem maiores preocupações.

Em tuíte publicado no dia 22 de maio, por exemplo, Khamenei escreveu:

“O regime sionista é um câncer mortal e um prejuízo para esta região. Sem dúvida, será extirpado e destruído.”

A incoerência no comportamento dos checadores de fatos do Twitter foi apontada em publicação da própria Casa Branca.

“Twitter determinou que permitirá que terroristas, ditadores e propagandistas estrangeiros abusem de sua plataforma”, escreveu a Casa Branca.

O perfil oficial do governo norte-americano também compartilhou um tuíte contendo uma série de ataques do líder do Irã contra Israel.

(Com Renova Mídia)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here