“Eles querem colocar chips dentro de nós, querem fazer todo tipo de coisa, para fazer com que não possamos atravessar os portões do céu.”

O rapper norte-americano Kanye West, que no último sábado (4/7), dia da Independência dos Estados Unidos, declarou que se candidataria à presidência norte-americana, contou em entrevista à revista Forbes mais detalhes sobre a candidatura, nesta quarta-feira (8/6).

Para começar, o rapper explicou que concorreria pelo partido republicano se Donald Trump (antes era apoiado por Kanye) não estivesse filiado à legenda. Portanto, ele pretende concorrer filiado a uma nova sigla, o Birthday Party (Party, em inglês, quer dizer tanto festa quanto partido. Birthday quer dizer aniversário). A candidatura ainda não está formalizada. “Vamos ver se a nomeação será em 2020 ou se é 2024, porque Deus nomeia o presidente. Se eu ganhar em 2020, então foi a nomeação de Deus. Se eu ganhar em 2024, essa foi a nomeação de Deus”, disse o rapper, que vêm seguindo uma linha de cristão fundamentalista.Continua depois da publicidade.

+ Igreja satânica ironiza conversão de Kanye West: “Satanás foi o melhor amigo que ele teve”

Ele afirmou, por exemplo, que teve covid-19 em fevereiro e que suspeitaria de qualquer vacina criada contra a doença, usando argumentos de cunho religioso e típicos do movimento anti-vacina. “Muitos de nossos filhos estão sendo vacinados e paralisados. Então, quando eles dizem que a maneira de consertar a covid é com uma vacina, sou extremamente cauteloso. Essa é a marca da besta. Eles querem colocar chips dentro de nós, querem fazer todo tipo de coisa, para fazer com que não possamos atravessar os portões do céu. Sinto muito quando digo que eles são os humanos que têm o diabo dentro deles. E o mais triste é que nem todos chegaremos ao céu, que haverá alguns de nós que não conseguirão. Próxima questão.” A mesma ideologia orienta a visão dele sobre o aborto: “Sou pró-vida porque sigo as palavras da Bíblia.”

+ Kanye West diz que democratas obrigam pessoas negras a fazerem abortos: ‘não matarás’

O rapper declarou que não apoia mais o atual presidente dos EUA e que entraria na disputa para vencer. “Trump é o presidente mais próximo que tivemos em anos que permitiu que Deus ainda faça parte da conversa. Estou tirando o boné agora, nesta entrevista”, disse, referindo-se ao característico boné vermelho de Trump com os dizeres ‘Make America great again’. “Como tudo que fiz na vida, estou fazendo isto para vencer.” 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here