Segundo Bolsonaro, as declarações de Joe Biden mostram que “a cobiça de alguns países sobre a Amazônia é uma realidade” / FOTO: Reprodução Internet

O presidente Jair Bolsonaro rebateu nesta 4ª feira (30.set.2020), por meio do Twitter, a proposta do candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, o ex-vice-presidente Joe Biden, de formar uma coalizão internacional para transferir US$20 bilhões (cerca de R$ 115 bilhões) ao Brasil para a preservação da Amazônia.

A proposta foi apresentada pelo democrata durante o 1º debate para a eleição norte-americana realizado na noite dessa 3ª feira (29.set.2020). Biden disse ainda que, caso eleito, pode impor sanções ao Brasil caso o problema não seja sanado.

Segundo Bolsonaro, as declarações do democrata mostram que “a cobiça de alguns países sobre a Amazônia é uma realidade” e também sinalizam que Biden quer “abrir mão de uma convivência cordial e profícua”.

Veja+

Leia+Na ONU, Bolsonaro diz: existe uma campanha internacional usando incêndios florestais contra o governo brasileiro

“O que alguns ainda não entenderam é que o Brasil mudou. Hoje, seu Presidente, diferentemente da esquerda, não mais aceita subornos, criminosas demarcações ou infundadas ameaças. Nossa soberania é inegociável, disse.

“Custo entender, como chefe de Estado que reabriu plenamente a sua diplomacia com os Estados Unidos, depois de décadas de governos hostis, tão desastrosa e gratuita declaração. Lamentável, sr. Joe Biden, sob todos os aspectos, lamentável”, afirmou.

Segundo Bolsonaro, o governo tem realizado “ações sem precedentes para proteger a Amazônia“Cooperação dos EUA é bem-vinda, inclusive para projetos de investimento sustentável que criem emprego digno para a população amazônica, tal como tenho conversado com o presidente Trump“, afirmou.

Mais cedo, o ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) ironizou a fala de Biden no Twitter. “Só uma pergunta: a ajuda dos US$ 20 bilhões do Biden, é por ano?”, questionou.

Em março, Biden já havia se manifestado sobre a Amazônia para a revista Americas Quarterly, ao ser perguntado se os Estados Unidos deveriam agir contra o Brasil caso o país não protegesse o bioma.

Os incêndios que devastaram a Amazônia no último verão provocaram ação global para interromper a destruição e apoiar o reflorestamento antes que seja muito tarde. O presidente Bolsonaro deveria saber que, se o Brasil fracassar na tarefa de ser um guardião responsável da Floresta Amazônica, meu governo vai buscar apoio ao redor do mundo para garantir que o meio ambiente seja protegido”, disse na ocasião.

Já o presidente dos EUA, Donald Trump, não falou sobre a Amazônia no debate. Ele afirmou que os Estados Unidos progrediram na redução da emissão de carbono. Segundo o norte-americano, o país atingiu os níveis mínimos históricos.

Contudo, Trump já usou o Twitter, em 27 de agosto de 2019, para elogiar o trabalho do presidente Jair Bolsonaro no combate às queimadas na Amazônia e dizer que o chefe do Executivo brasileiro tem total apoio dos EUA.

Eu conheci bem o presidente Jair Bolsonaro em nossas relações com o Brasil. Ele está trabalhando muito nas queimadas na Amazônia e em todos os aspectos fazendo um ótimo trabalho para o povo do Brasil – não é fácil. Ele e seu país têm o apoio total e completo dos EUA!”, escreveu Trump.

Na época, Bolsonaro questionou as intenções da ajuda internacional oferecida pelos países do G7 para combater as queimadas na Amazônia. Os líderes tinham concordado em liberar US$ 20 milhões (cerca de R$ 83 milhões, na época) para ajudar a conter as queimadas na floresta, sendo a maior parte do dinheiro para o envio de aeronaves de combate a incêndios florestais. O presidente brasileiro chamou o dinheiro oferecido de “esmola”.

FONTE: Poder360

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here