Conecte-se conosco

Política

A pedido de Bolsonaro, bancada evangélica apresenta nomes para Ministério da Cidadania

Publicado

em

A nova pasta a ser criada deve englobar ações sociais da gestão Bolsonaro e também pode abranger programas como o Bolsa Família. Foto: Reprodução

A pedido do presidente eleito Jair Bolsonaro, representantes da bancada evangélica na Câmara dos Deputados apresentaram nesta terça-feira ao futuro chefe do Executivo uma lista com três nomes para ocupar o Ministério da Cidadania, disse à Reuters uma fonte que participou do encontro no gabinete de transição em Brasília.

O grupo entregou a Bolsonaro os nomes dos deputados Gilberto Nascimento (PSC-SP), Marcos Feliciano (Podemos-SP) e Ronaldo Nogueira (PTB-SP), ex-ministro do Trabalho do governo Michel Temer.

A sugestão dos nomes ocorreu após o presidente eleito ter comentado com os cerca de 30 presentes à reunião se tinham interesse em que algum membro do grupo integrasse o novo governo, disse a fonte.

Bolsonaro chegou a comentar que há pastas pendentes de indicação –ainda estão vagas, por exemplo, Turismo, Meio Ambiente, Minas e Energia e Turismo–, mas os representantes da frente demonstraram interesse no Ministério da Cidadania.

Contra o sistema, Bolsonaro libertou médicos cubanos da semiescravidão

A nova pasta a ser criada deve englobar ações sociais da gestão Bolsonaro e também pode abranger programas como o Bolsa Família.

O grupo, segundo a fonte, não impôs qualquer restrição ao nome do senador não-reeleito Magno Malta (PR-ES), mas destacou que uma escolha do parlamentar seria por “mérito” dele e não com referente da frente parlamentar.

Representantes da frente fizeram questão de ressaltar no encontro com Bolsonaro que não estavam ali para exigir qualquer tipo de cargo do futuro governo e que vão atuar como uma espécie de “barreira ideológica” de quem é contra o conservadorismo cristão.

Na semana passada, a bancada evangélica –que tem tido forte influência com Bolsonaro– impôs uma espécie de veto à indicação do diretor Mozart Neves Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna, para ocupar o cargo de ministro da Educação. Bolsonaro acabou escolhendo o colombiano Ricardo Vélez Rodriguez.

Com informações Extra

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Brasil/Mundo2 dias atrás

ANAJURE defende liberdade do colégio batista notificado por vídeo contra a ideologia de gênero

"O vídeo em questão, ainda que expresse discordância quanto às teorias de gênero, não estimula qualquer conduta discriminatória", diz a...

Brasil/Mundo2 dias atrás

Livro infantil enfrenta a ideologia de gênero: “Elefantes não são pássaros”

"O livro é uma repreensão absoluta à aceitação da transexualidade e ao número crescente de jovens que se identificam como...

Brasil/Mundo2 dias atrás

Cursos profissionalizantes são aliados na busca pelo emprego

Evento on-line e gratuito vai debater a educação profissionalizante

Brasil/Mundo3 dias atrás

Pandemia afetou o comportamento de responsáveis por crianças de até três anos em famílias de classe D

Isolamento e crise financeira trouxeram efeitos perversos da desigualdade nas classes mais baixas

Brasil/Mundo3 dias atrás

Bolsa Família pode ter reajuste de 50% ou mais, diz ministro

Valores passarão a ser pagos a partir de novembro

Brasil/Mundo3 dias atrás

“O povo vai reagir em 2022 se não tivermos uma eleição democrática”, diz Bolsonaro

O presidente tem defendido a aprovação do projeto de lei pelo voto impresso auditável

Brasil/Mundo4 dias atrás

Lei do Superendividamento favorece negociação e cobrança humanizada

Início das multas no contexto da Lei Geral de Proteção de Dados também deve frear a oferta de crédito a...

Brasil/Mundo4 dias atrás

Brasil ultrapassa marca de 60% da população vacinada com primeira dose contra Covid-19

São mais de 96 milhões de pessoas, das 160 milhões com mais de 18 anos, que receberam a primeira dose...

Brasil/Mundo6 dias atrás

Olimpíadas de Tóquio têm medalhas feitas por designer japonês

Junichi Kawanishi foi o vencedor de um concurso com 400 participantes

Brasil/Mundo6 dias atrás

Entidades e mais de 50 juristas assinam carta em defesa da indicação de André Mendonça ao STF

Texto mostra que um jurista evangélico também pode assumir uma cadeira na Suprema Corte