Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Brasil/Mundo

Bancada Evangélica repudia decisão judicial que pode acabar com cerimônias religiosas em órgãos públicos

Publicado

em

Da redação JM

A Frente Parlamentar Evangélica (FPE) do Congresso Nacional emitiu nesta quarta-feira, 17, Nota de Repúdio conta a ação da Justiça Federal que, em 2017, condenou o diretor-geral do Arquivo Nacional, com sede no Rio de Janeiro, por cometer improbidade administrativa ao autorizar que servidores usassem o auditório do órgão, às quintas-feiras, para ler o evangelho. O deputado e pastor Marco Feliciano também criticou a justiça pela decisão.

Marco Feliciano disse que “não é mais possível um Poder Judiciário, que persegue os cristãos e seus símbolos, que despreza 90% da fé da população brasileira“.

+ Marco Feliciano denuncia perseguição aos cristãos pelo judiciário brasileiro

A prática ocorria desde 2005, com autorização prévia do ex-diretor, na hora do almoço, sem prejudicar o horário de expediente e sem custo aos servidores. O Ministério Público do Rio denunciou as reuniões, dizendo que a estrutura governamental não poderia ser usada para esse fim.

+ Com ministro da Educação, Bancada Evangélica debate o “Brasil na perspectiva cristã” durante conferência

A decisão judicial fez com que, na época, o professor José Ricardo Marques fosse condenado a pagar uma indenização.

Seus advogados estão recorrendo pois entendem que “uma condenação de fato coibiria que espaços públicos fossem usados para fins religiosos”.

Prática comum

A Bancada destacou que tais práticas são comuns, pois recentemente a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia, recebeu a “benção” de um bispo mineiro em seu gabinete e o presidente Jair Bolsonaro frequenta solenidades evangélicas e católicas na Câmara dos Deputados e no Senado.

A Frente Parlamentar Evangélica defende um Estado laico. Lembra, porém, que a liberdade de religião e de culto estão garantidas na Constituição Federal. Qualquer entendimento judicial contra a liberdade de crença e o livre exercício dos cultos religiosos ou celebrações, é inconstitucional e, portanto, merecedor de reforma ou anulação“, diz a nota.

Os representantes da Frente Evangélica destacam ainda que a própria Constituição Brasileira e outras legislações prevêem a liberdade de crença religiosa aos cidadãos, além de proteção e respeito às manifestações religiosas. O artigo 5º da Constituição estabelece: “É inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias”.

https://www.instagram.com/tv/B2htAIkAV-Q/?utm_source=ig_web_copy_link

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Brasil/Mundo1 dia atrás

Motivação de estudantes aumentou com retorno das aulas presenciais, diz pesquisa

Na opinião de pais, 87% dos filhos que frequentam as aulas presenciais se sentem mais animados

Brasil/Mundo2 dias atrás

Governo de Rondônia proíbe ‘linguagem neutra’ nas escolas

Os professores e instituições poderão ser punidos se não obedecerem

Brasil/Mundo2 dias atrás

Moraes determina prisão preventiva e extradição de Allan dos Santos

Blogueiro bolsonarista é alvo do inquérito que apura a divulgação de notícias falsas

Brasil/Mundo2 dias atrás

Covid-19: 20 milhões de brasileiros estão com a segunda dose da vacina atrasada

Índice de pessoas completamente vacinadas contra a doença já teria passado dos 80% do público-alvo, caso não houvesse atraso na...

Brasil/Mundo3 dias atrás

Governo Federal anuncia o Auxílio Brasil de R$ 400 até o final de 2022

O número de beneficiários será ampliado em relação ao Bolsa Família e deve chegar a 16,9 milhões de famílias

Brasil/Mundo4 dias atrás

Inscrições para cursos gratuitos do Google encerram nessa sexta (22/10)

As capacitações são na área de tecnologia e começam nesse ano

Brasil/Mundo4 dias atrás

Censura: Instagram retira ‘recurso de links’ de perfis conservadores

Internautas falam de perseguição política e tentativa de censura

Brasil/Mundo5 dias atrás

Lego anuncia brinquedos sem gênero para influenciar crianças “contra o preconceito”

Para a marca, acabar com o “estereótipos nocivos” vai ajudar as crianças a não serem preconceituosas

Publicidade