Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Brasil/Mundo

Bancada evangélica sai vitoriosa em questões sobre aborto e gênero nesta quinta

Publicado

em

Isabel Braga – O Globo

deputado

deputado federal Alan Rick (PRB-AC)

BRASÍLIA — A bancada evangélica conseguiu duas vitórias nas votações no plenário da Câmara nesta quinta-feira na batalha anti-aborto e anti-gays e a comunidade LGBT. Ao apreciar destaques à Medida Provisória 696, que trata de cortes de gastos e ministérios do governo, os evangélicos aprovaram duas mudanças na competência do Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos sobre aborto e gênero. As mudanças — de efeito mais simbólico do que prático — provocaram debates acirrados em plenário entre evangélicos e deputados de partidos mais à esquerda, que tentaram evitá-las.

Na primeira votação, foi aprovada uma emenda do deputado Alan Rick (PRB-AC) que diz que o Ministério das Mulheres tem obrigação de atuar em conformidade com a Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica). O texto original dizia apenas “em conformidade com o Programa Nacional de Direitos Humanos”. O pacto, em um de seus artigos, diz que o direito à vida tem que ser respeitado desde o momento da concepção. “Ninguém pode ser privado da vida arbitrariamente”, diz o deputado evangélico na justificativa.

A votação foi simbólica, Cunha anunciou o resultado e os deputados contrários à aprovação demoraram para pedir verificação e tentar evitar, por meio de votação nominal, a aprovação da emenda. Quando se deram conta, Cunha disse que não concederia a nominal, que era matéria vencida, gerando protestos e indignação no plenário.

— Senhor presidente, faça a nominal. Ninguém viu a decisão, e o painel era claro, a maioria dos partidos era contra a aprovação dessa emenda. O senhor está tomando uma decisão política — criticou o líder do PSOL, Ivan Valente (SP).

Houve protestos também de deputadas petistas, mas Cunha não voltou atrás.

— O painel nem sempre é a garantia de resultado. A maioria não rejeitou a emenda — disse Cunha.

ATRIBUIÇÃO RETIRADA DO MINISTÉRIO

A segunda votação também foi de um destaque apresentado pelo PRB e que conseguiu retirar das atribuições do Ministério das Mulheres a expressão “incorporação da perspectiva de gênero” na promoção da igualdade entre homens e mulheres, por 188 votos a 166, além de duas abstenções. Os evangélicos alegaram que a expressão gênero permitia interpretação que vai além da defesa dos direitos de homens e mulheres, podendo abranger a comunidade LGBT.

— A ideologia de gênero nada mais é do que a destruição da família, célula mater e base da sociedade. Portanto, vamos votar não à ideologia de gênero para defender a família dos brasileiros — apelou o deputado Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ).

— Não podemos admitir o conceito do novo modelo de sociedade, que se esconde atrás da ideologia de gênero, que quer introduzir uma terceira ordem sexual, até porque o modelo defendido pela sociedade brasileira está fundamentado em princípios cristãos. Nós precisamos preservar aquele modelo de família. A família se constitui através da união de um homem e uma mulher, para a preservação da sua prole — acrescentou Ronaldo Nogueira (PTB-RS).

Deputados de partidos mais à esquerda criticaram a medida nos microfones do plenário:

— Esse fundamentalismo tem que acabar no Congresso Nacional — criticou a deputada Jandira Feghali (PC do B-RJ).

O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), inconformado, gritava enquanto deputados evangélicos defendiam a medida. Depois, comentou:

— São intervenções de uma ignorância atroz. Não sei se é burrice ou má-fé. Daqui a pouco vão querer vetar até mesmo o uso da palavra gênero quando for tratar de gênero alimentício — criticou Jean Wyllys.

O plenário finalizou nesta quinta-feira a votação da MP 696, que reduz de 39 para 31 o números de ministérios do governo Dilma Rousseff.

Em nota, a secretária de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, lamentou a retirada da expressão “perspectiva de gênero” como uma das atribuições do ministério na votação da MP na Câmara. “A Secretária Especial reitera que a perspectiva de gênero se sustenta na busca pela equidade entre mulheres e homens e ressalta a importância da manutenção da expressão nas atribuições do ministério”, diz o texto.

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Brasil/Mundo1 dia atrás

Motivação de estudantes aumentou com retorno das aulas presenciais, diz pesquisa

Na opinião de pais, 87% dos filhos que frequentam as aulas presenciais se sentem mais animados

Brasil/Mundo2 dias atrás

Governo de Rondônia proíbe ‘linguagem neutra’ nas escolas

Os professores e instituições poderão ser punidos se não obedecerem

Brasil/Mundo2 dias atrás

Moraes determina prisão preventiva e extradição de Allan dos Santos

Blogueiro bolsonarista é alvo do inquérito que apura a divulgação de notícias falsas

Brasil/Mundo2 dias atrás

Covid-19: 20 milhões de brasileiros estão com a segunda dose da vacina atrasada

Índice de pessoas completamente vacinadas contra a doença já teria passado dos 80% do público-alvo, caso não houvesse atraso na...

Brasil/Mundo3 dias atrás

Governo Federal anuncia o Auxílio Brasil de R$ 400 até o final de 2022

O número de beneficiários será ampliado em relação ao Bolsa Família e deve chegar a 16,9 milhões de famílias

Brasil/Mundo4 dias atrás

Inscrições para cursos gratuitos do Google encerram nessa sexta (22/10)

As capacitações são na área de tecnologia e começam nesse ano

Brasil/Mundo4 dias atrás

Censura: Instagram retira ‘recurso de links’ de perfis conservadores

Internautas falam de perseguição política e tentativa de censura

Brasil/Mundo5 dias atrás

Lego anuncia brinquedos sem gênero para influenciar crianças “contra o preconceito”

Para a marca, acabar com o “estereótipos nocivos” vai ajudar as crianças a não serem preconceituosas

Publicidade