Conecte-se conosco

Brasil/Mundo

Bolsonaro autoriza envio das Forças Armadas para o combate às queimadas no Tocantins

Publicado

em

Queimadas atingem serras e dificultam combate no Tocantins — Foto: Reprodução/Ciopaer

O presidente da república Jair Bolsonaro autorizou o envio das Forças Armadas ao Tocantins para dar apoio no combate às queimadas. O despacho foi publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (20).

Pará, Amazonas e Mato Grosso são os estados com o maior número de focos de fogo detectados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em agosto deste ano. Juntos, eles representam 60% das queimadas do mês. A Amazônia é o bioma que registrou a maior quantidade de pontos de calor, mas, em comparação, o Pantanal é o mais afetado: ele tem uma área 36 vezes menor, mas só 5 vezes menos fogo.

O Tocantins está em sexto lugar no ranking do Inpe, com 4.560 focos de incêndio registrados de janeiro até esta quarta-feira (19). Os meses de agosto e setembro são os que mais registram queimadas, por causa do tempo está seco, com altas temperaturas, ventos fortes e baixa umidade.

Não há informações sobre a quantidade de homens que será empregada no estado. A autorização presidencial veio após um pedido do governador do Tocantins, Mauro Carlesse (DEM). No dia 11 deste mês, o gestor enviou um ofício a Bolsonaro destacando que o estado se encontra em posição de destaque no cenário nacional em relação ao número de focos já registrados em 2020.

Ainda no ofício, Carlesse destacou que a fumaça dos incêndios florestais pode agravar os casos de doenças respiratórias e saturar ainda mais o sistema de saúde já sobrecarregado com a pandemia do novo coronavírus.

O despacho do presidente é fundamentado no Decreto 10.341, de 6 de maio de 2020. O texto diz que fica autorizado o emprego das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem e em ações subsidiárias na faixa de fronteira, nas terras indígenas, nas unidades federais de conservação ambiental e em outras áreas federais nos Estados da Amazônia Legal.

O objetivo é realizar ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais, direcionada ao desmatamento ilegal e o combate a focos de incêndio.

O decreto afirma ainda que o emprego dos militares fica autorizado em outras áreas da Amazônia Legal caso haja requerimento do Governador do respectivo Estado ao Presidente da República.

(Com G1)

AGROTINS 2021

Últimas notícias

Brasil/Mundo2 dias atrás

Programa abre inscrições para capacitar mulheres negras para o mercado de trabalho

Finalistas poderão ser contratadas para estágios na Avon

Brasil/Mundo2 dias atrás

Lula enaltece Renan Calheiros e defende senador na CPI da Pandemia: “Não existe político perfeito”

Mais que amigos: O senador pode ser vice de Lula nas eleições presidenciais de 2022, segundo colunistas políticos de Alagoas

Brasil/Mundo3 dias atrás

Estão abertas as inscrições para a 24ª edição do Prêmio Educador Nota 10

Neste ano, serão escolhidos 10 docentes como ganhadores

Brasil/Mundo3 dias atrás

Hungria apresenta lei que proíbe a promoção da homossexualidade para menores de 18 anos

O país tem adotado ações para proteger os valores tradicionais e a herança da nação de maioria cristã do ativismo...

Brasil/Mundo4 dias atrás

Bolsonaro diz que vai vetar ‘passaporte sanitário’ para vacinados contra a Covid

Texto foi aprovado no Senado e seguirá para a Câmara dos Deputados

Brasil/Mundo6 dias atrás

Levantadora de pesos diz que a presença de atletas trans tornará o jogo olímpico “injusto”

Laurel Hubbard já competia nos campeonatos masculinos até que em 2013 se tornou mulher trans

Brasil/Mundo6 dias atrás

PM de Alagoas exonera subcomandante que defende Bolsonaro e ataca opositores nas redes sociais

Um dia após a exoneração, o militar publicou uma foto no Facebook e escreveu: "Entre o louco e o corrupto,...

Brasil/Mundo6 dias atrás

Benjamin Netanyahu deixa o cargo de primeiro-ministro de Israel

Novo premiê foi eleito pelo parlamento israelense após acordos políticos

Brasil/Mundo6 dias atrás

Biden hasteia a bandeira LGBT na embaixada dos EUA no Vaticano e é criticado

Entre os críticos está o pastor Franklin Graham que entendeu a decisão como um desrespeito ao simbolismo religioso do Vaticano

Brasil/Mundo6 dias atrás

Mandato de Benjamin Netanyahu chega ao fim em Israel

É a primeira vez que o partido árabe Ra’am fará parte oficialmente do governo, que terá apoio de uma coalização...