Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Mundo Cristão

China comunista oferece dinheiro aos cidadãos que espionarem vizinhos cristãos

Publicado

em

Um novo sistema de recompensa está sendo usado na China como uma forma de reprimir os cristãos que se envolvem em “atividades religiosas ilegais”.

No início deste mês, o distrito de Meilisi Daur na cidade de Qiqihar, província de Heilongjiang, divulgou “O sistema de recompensa para denúncias de crimes de atividades religiosas ilegais”, dizendo que os informantes poderiam receber 1.000 yuans (US $ 150),  relatou o China Christian Daily .

A medida visa “fortalecer o controle de atividades religiosas ilegais no distrito, prevenir qualquer cluster COVID-19 resultante de reuniões religiosas, mobilizar o público para se engajar na prevenção, repressão de atividades religiosas ilegais e garantir um cenário religioso harmonioso e estável”, dizia o anúncio.

Aqueles que relatam um incidente podem enviar sua dica por telefone, e-mail ou escrevendo uma carta.

As ofensas reportáveis ​​incluem pessoal religioso não qualificado, atividades transregionais não autorizadas, pregação e distribuição de obras religiosas impressas, produtos audiovisuais fora dos locais de culto, doações não autorizadas e reuniões em casas particulares.

Sistemas de recompensa semelhantes foram oferecidos pelo distrito de Boshan em Zibo e na cidade de Weihai, Shandong.

“Embora eles não especifiquem a religião que têm como alvo, é evidente que as igrejas domésticas estão sendo suprimidas”, observou o órgão de vigilância da perseguição  International Christian Concern  (ICC).

Este é apenas o último passo dado pelo Partido Comunista Chinês em um esforço para assegurar que todos os seus cidadãos cumpram os decretos e crenças do estado.

Os pastores das Igrejas Triplas da China foram obrigados a  ajustar seus sermões  para incluir partes de um discurso feito pelo presidente Xi Jinping em 1º de julho.

Xi ordenou que todas as religiões devem “Sinicizar” e permanecer leais ao partido oficialmente ateísta. Os cristãos da China dizem que esta é a pior perseguição contra eles desde o presidente Mao Zedong.

O governo chinês também continua a tomar medidas para remover os materiais religiosos das mãos dos cristãos, enquanto o regime comunista se esforça para eliminar a comunidade religiosa.

Como o  CBN News  informou em maio, o governo retirou as contas do Christian  WeChat do ar. 

Os usuários receberam a seguinte mensagem quando tentaram obter acesso:

“(Recebemos um relatório de que (esta conta) viola as ‘Disposições de gerenciamento de serviços de informações de contas públicas para usuários da Internet’ e sua conta foi bloqueada e suspensa.”

Além disso, os Aplicativos da Bíblia foram eliminados da App Store da China e as versões impressas não podem mais ser compradas online. 

Centenas de cruzes foram removidas dos edifícios da igreja em apenas uma província durante um período de quatro meses.

A China está classificada em 17º lugar na Lista de Vigilância Mundial de 2021 da  Portas Abertas  de países onde os cristãos sofrem mais perseguição.

Com Faithwire

PUBLICIDADE