Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Brasil/Mundo

Congresso recebe iluminação para lembrar o Dia do Orgulho LGBTQIA+

A iluminação multicolorida fez alusão à bandeira do movimento LGBT

Publicado

em

O Congresso Nacional foi iluminado especialmente, nesta segunda-feira (28), para celebrar o Dia do Orgulho LGBTQIA+. A iluminação multicolorida fez alusão à bandeira do movimento LGBT, que representa a diversidade, simbolizada pelo arco-íris. A iniciativa partiu dos senadores Humberto Costa (PT-PE) e Fabiano Contarato (Rede-ES), respectivamente presidente e vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH), e do deputado Rafafá (PSDB-PB).

Para o co-coordenador da Associação Brasília Orgulho, Welton Trindade, a iluminação é fundamental para se afirmar que o Congresso Nacional só pode ser considerado a casa dos cidadãos se for também a casa dos LGBTs.

— Importantes leis para LGBTs já passaram no Legislativo federal, tais como a Lei Maria da Penha, que inclui casais de mulheres, e o Estatuto da Pessoa com Deficiência, que abarca diversidade de orientação sexual e identidade de gênero. Entretanto, ainda há trabalho a ser feito, tal como aprovação por lei do casamento entre pessoas do mesmo sexo, e que nenhum retrocesso seja aprovado — enfatizou.

Welton lembrou que, em virtude da pandemia, não é possível realizar a parada do orgulho LGBT há dois anos. O evento então tomou novo formato no Distrito Federal com o nome Brasília: Cidade Orgulho, e conta com uma intervenção urbana nas cores do arco-íris, símbolo mundial LGBT. Em Brasília, são dez obras nas modalidades pintura, iluminação, adesivação ou instalação que podem ser localizadas neste mapa.

— A gente tinha, mesmo na pandemia, que passar essa mensagem de fortalecimento do orgulho e de combate ao preconceito. Colorir a cidade foi a saída criativa que propusemos. E a resposta está sendo incrível. Pessoas podendo sorrir um pouco, espalhando alegria pelas redes sociais, mesmo com tantas notícias ruins sobre a pandemia.

Stonewall

A Rebelião de Stonewall marcou o dia 28 de junho de 1969 com a revolta da comunidade LGBT de Nova York contra invasões policiais a bares frequentados pelo público gay. A revolta desencadeou outros protestos em várias cidades dos Estados Unidos em favor dos direitos dos homossexuais. Por esse motivo, 28 de junho passou a ser o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+.

No ano seguinte, surgiu a primeira Parada do Orgulho Gay, em 1º de julho de 1970, fortalecendo o movimento. Hoje a data é lembrada para marcar a luta contra a LGBTfobia, termo que define as violências cometidas contra gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transexuais, intersexuais, assexuais e outras pessoas LGBTQIA+.

Fonte: Agência Senado

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Brasil/Mundo9 horas atrás

Governo de Rondônia proíbe ‘linguagem neutra’ nas escolas

Os professores e instituições poderão ser punidos se não obedecerem

Brasil/Mundo13 horas atrás

Moraes determina prisão preventiva e extradição de Allan dos Santos

Blogueiro bolsonarista é alvo do inquérito que apura a divulgação de notícias falsas

Brasil/Mundo14 horas atrás

Covid-19: 20 milhões de brasileiros estão com a segunda dose da vacina atrasada

Índice de pessoas completamente vacinadas contra a doença já teria passado dos 80% do público-alvo, caso não houvesse atraso na...

Brasil/Mundo1 dia atrás

Governo Federal anuncia o Auxílio Brasil de R$ 400 até o final de 2022

O número de beneficiários será ampliado em relação ao Bolsa Família e deve chegar a 16,9 milhões de famílias

Brasil/Mundo2 dias atrás

Inscrições para cursos gratuitos do Google encerram nessa sexta (22/10)

As capacitações são na área de tecnologia e começam nesse ano

Brasil/Mundo3 dias atrás

Censura: Instagram retira ‘recurso de links’ de perfis conservadores

Internautas falam de perseguição política e tentativa de censura

Brasil/Mundo3 dias atrás

Lego anuncia brinquedos sem gênero para influenciar crianças “contra o preconceito”

Para a marca, acabar com o “estereótipos nocivos” vai ajudar as crianças a não serem preconceituosas

Brasil/Mundo4 dias atrás

Por reclamarem de banheiro coletivo unissex, Joana Prado e Vitor Belford perdem patronício

A empresa foi pressionada por internautas para romper contrato com o casal; usuários da rede alegam de "transfobia"

Publicidade