Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Brasil/Mundo

Cristãos ex-muçulmanos perseguidos pela família na Nigéria

Publicado

em

Cristãos ex-muçulmanos enfrentam mais hostilidade no período do Ramadã

Cristãos ex-muçulmanos costumam enfrentar mais perseguição durante o período do Ramadã, quando aqueles que professam a fé em Alá e Maomé fazem jejum desde o nascer até o pôr do sol em busca de perdão e favor divino. Na Nigéria, dois homens foram agredidos pelos próprios familiares porque revelaram a fé em Cristo.

Sarim* vive no estado de Borno, nordeste do país. Há dois anos, ele decidiu seguir a Jesus, após tentar converter o amigo John ao islã. “Durante nossas discussões, percebi que a fé cristã tinha certezas que eu não tinha. Fiquei convencido de que Jesus é Deus”, explica. Mais tarde ele foi apresentado a um pastor local; naquele mesmo dia ele orou e reconheceu Cristo como Senhor e Salvador dele.

Porém, a notícia provocou um alvoroço nos pais de Sarim. A mãe desmaiou quando soube da novidade, já o pai jogou um objeto pesado nele, mas a hostilidade ficaria pior. “Meu pai então pegou uma faca para me matar, mas eu escapei”, conta o cristão. Ele fugiu e precisou ficar escondido, pois foi jurado de morte por um grupo de jovens da comunidade onde morava. O cristão de 28 anos teve que interromper a faculdade de engenharia elétrica, mas confia que Deus tem um propósito especial para a vida dele.

Sem olhar para trás

David* é um cristão ex-muçulmano como  Sarim. Ele vive no estado de Jigawa entre os fulani, povo de maioria muçulmana. O processo de conversão dele durou dois anos, quando finalmente reconheceu Jesus como filho de Deus e salvador. A família descobriu,  o prendeu e passou a interrogá-lo. Mas nada foi suficiente para fazer o rapaz de 20 anos voltar à antiga fé.

A insistência do jovem fulani irritou os familiares e por isso ele foi espancado de maneira que tivesse muitos machucados. Só conseguiu sair de casa duas semanas depois do incidente. Com a ajuda de outros cristãos, mudou-se para um lugar mais seguro. “A tortura que sofri ajudou a confirmar minha convicção de que nunca mais voltarei a ser muçulmano, porque, diferentemente do cristianismo, o islã não tem amor genuíno”, conclui.

O Ramadã é um período complicado para os cristãos ex-muçulmanos, a solidão deles fica mais nítida e os ataques vêm da própria família. A Portas Abertas trabalha para capacitar igrejas locais a alcançarem os muçulmanos com a verdade de Cristo. Os novos seguidores de Jesus têm discipulado adequado, apoio emocional e prático para que eles encontrem a verdadeira identidade em Jesus.

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Brasil/Mundo1 dia atrás

Motivação de estudantes aumentou com retorno das aulas presenciais, diz pesquisa

Na opinião de pais, 87% dos filhos que frequentam as aulas presenciais se sentem mais animados

Brasil/Mundo2 dias atrás

Governo de Rondônia proíbe ‘linguagem neutra’ nas escolas

Os professores e instituições poderão ser punidos se não obedecerem

Brasil/Mundo2 dias atrás

Moraes determina prisão preventiva e extradição de Allan dos Santos

Blogueiro bolsonarista é alvo do inquérito que apura a divulgação de notícias falsas

Brasil/Mundo2 dias atrás

Covid-19: 20 milhões de brasileiros estão com a segunda dose da vacina atrasada

Índice de pessoas completamente vacinadas contra a doença já teria passado dos 80% do público-alvo, caso não houvesse atraso na...

Brasil/Mundo3 dias atrás

Governo Federal anuncia o Auxílio Brasil de R$ 400 até o final de 2022

O número de beneficiários será ampliado em relação ao Bolsa Família e deve chegar a 16,9 milhões de famílias

Brasil/Mundo4 dias atrás

Inscrições para cursos gratuitos do Google encerram nessa sexta (22/10)

As capacitações são na área de tecnologia e começam nesse ano

Brasil/Mundo4 dias atrás

Censura: Instagram retira ‘recurso de links’ de perfis conservadores

Internautas falam de perseguição política e tentativa de censura

Brasil/Mundo5 dias atrás

Lego anuncia brinquedos sem gênero para influenciar crianças “contra o preconceito”

Para a marca, acabar com o “estereótipos nocivos” vai ajudar as crianças a não serem preconceituosas

Publicidade