Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Política

Eli Borges diz que Amastha não tem condições de assumir o Estado e critica aumento do IPTU

Publicado

em

Da Redação JM Notícia

Eli Borges diz que Amastha não tem condições de assumir o Estado e critica aumento do IPTU

Nesta quarta-feira (7) o deputado estadual Eli Borges (PROS) usou a tribuna da Assembleia Legislativa do Tocantins para levantar um debate sobre o aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) de Palmas que tem assustados os moradores, sobretudo os comerciantes da capital.

Em seu sétimo mandato, Borges declarou que nunca viu a população tão “polvorosa” como viu após retornar de suas férias. Em contato com alguns dos moradores de Palmas que receberam um aumento desproporcional do IPTU por conta da diminuição dos redutores, o parlamentar faz críticas ao prefeito licenciado da cidade, Carlos Amastha.

“Esse cidadão que tem pretensão de governo, ele não é um cidadão coerente na política tributária. Eu peguei um caso aqui que o aumento do IPTU ficou em 211%, dentro da própria administração. Mas se pegar o aumento de antes desse cidadão assumir a cidade, teremos casos de mais de 500% e 600%”, declarou o deputado.

Outro caso citado pelo parlamentar foi de um contribuinte que recebeu um imposto 171% mais caro do que ele pagou no ano passado. Quem mora na área rural também sofreu com aumentos, segundo o parlamentar, o imposto veio com um valor maior que o valor venal do imóvel.

“O cidadão entra com recursos, se esforça, mas o Prefeito ganha todas no Judiciário”, denuncia. Eli Borges também critica a explicação de que o valor venal dos imóveis subiu. “Não vem com essa história que o valor venal subiu, porque nos últimos anos, pela crise, o valor diminuiu”, completou.

Na visão do deputado estadual, Amastha não tem condições de assumir o governo do Estado  e abordou a questão das multas, que Amastha adotou na cidade, deixando de investir na manutenção de semáforos, mas disponibilizando agentes para aplicar multa em quem circula pela capital. “Eu não vejo fiscais de trânsito, por exemplo, fazendo aquele trabalho que substitui o semáforo pela ausência do equipamento eletrônico”.

Com impostos tão altos, Amastha afasta empresas que poderiam investir na cidade e ajudar no seu desenvolvimento. Por isso, Eli Borges promete levantar os dados sobre esses aumentos e pede aos seus pares que se unam para criar uma nova lei para questões cartorárias. “Vamos cuidar do nosso povo, respeitar o bolso da nossa sociedade e não vamos permitir que alguém esfolie mais a nossa gente”, concluiu.

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Brasil/Mundo8 horas atrás

Governo de Rondônia proíbe ‘linguagem neutra’ nas escolas

Os professores e instituições poderão ser punidos se não obedecerem

Brasil/Mundo13 horas atrás

Moraes determina prisão preventiva e extradição de Allan dos Santos

Blogueiro bolsonarista é alvo do inquérito que apura a divulgação de notícias falsas

Brasil/Mundo14 horas atrás

Covid-19: 20 milhões de brasileiros estão com a segunda dose da vacina atrasada

Índice de pessoas completamente vacinadas contra a doença já teria passado dos 80% do público-alvo, caso não houvesse atraso na...

Brasil/Mundo1 dia atrás

Governo Federal anuncia o Auxílio Brasil de R$ 400 até o final de 2022

O número de beneficiários será ampliado em relação ao Bolsa Família e deve chegar a 16,9 milhões de famílias

Brasil/Mundo2 dias atrás

Inscrições para cursos gratuitos do Google encerram nessa sexta (22/10)

As capacitações são na área de tecnologia e começam nesse ano

Brasil/Mundo3 dias atrás

Censura: Instagram retira ‘recurso de links’ de perfis conservadores

Internautas falam de perseguição política e tentativa de censura

Brasil/Mundo3 dias atrás

Lego anuncia brinquedos sem gênero para influenciar crianças “contra o preconceito”

Para a marca, acabar com o “estereótipos nocivos” vai ajudar as crianças a não serem preconceituosas

Brasil/Mundo4 dias atrás

Por reclamarem de banheiro coletivo unissex, Joana Prado e Vitor Belford perdem patronício

A empresa foi pressionada por internautas para romper contrato com o casal; usuários da rede alegam de "transfobia"

Publicidade