Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Brasil/Mundo

Espanha: Partido Socialista quer prender grupos pró-vida que atuam na porta de clínicas de aborto

Clínicas abortistas pressionam o governo espanhol para tonar as ações pró-vida “um crime de obstrução ao direito ao aborto”

Publicado

em

Um projeto de lei tramita no Congresso espanhol com o objetivo de penalizar com prisão grupos pró-vida que atuam na frente de clínicas de aborto convencendo gestantes a não matarem seus bebês.

O projeto foi apresentado pelo Partido Socialista que alega que os grupos “obstruem o direito ao aborto” quando fazem ações na porta das clínicas, conversando com mulheres.

O texto propõe acrescentar um novo artigo ao Código Penal com o objetivo de poder punir com penas de três meses a um ano de reclusão quem “assediar ou restringir a liberdade da mulher que pretende exercer o seu direito à interrupção voluntária da gravidez, promovendo, favorecendo ou participando em concentrações nas proximidades de locais autorizados a interromper a gravidez”.

Várias organizações pró-vida têm trabalhado fora desses centros por anos para fornecer informações às mulheres e desencorajá-las a fazer um aborto.

Acontece que a Associação das Clínicas Credenciadas para a Interrupção da Gravidez (ACAI) denunciou essas ações dizendo que as gestantes são “coagidas” e que muitas delas são “repreendidas, insultadas ou até mesmo ameaçadas”.

Em outubro do ano passado a ACAI solicitou ao governo espanhol que essas atividades fossem consideradas “um crime de obstrução ao direito ao aborto”.

Durante a defesa da proposta, a deputada socialista Laura Berja Vega assegurou que “estes grupos organizados violam os direitos humanos das mulheres e ameaçam a sua liberdade e privacidade”. “O único objetivo desses indesejáveis ​​é fazer as mulheres se sentirem pior”, disse ela.

Todos os anos são realizados em média 99 mil abortos, sendo que 79% deles são feitos em clínicas credenciadas ao ACAI.

Apenas dois partidos não apoiaram o projeto, o PP e o Vox. A deputada María Teresa Angulo Romero, do PP, declara que o governo “pretende desenvolver um novo regime jurídico a serviço dos seus interesses ideológicos”.

Para ela, o PL apresentado pretende “penalizar direitos fundamentais como a liberdade de expressão ou de reunião”.

Ela entende que o projeto é uma clara ameaça aos conservadores que defendem a vida só porque não pensam como o governo. “Você não quer penalizar uma suposta coerção, caso afirmativo, sua proposta seria desnecessária porque o Código Penal já tipifica a coerção. Você quer proibir o direito de reunião ou expressão onde e de quem não gosta, porque só precisa colocar nomes e sobrenomes”, disse a deputada.

Fonte: ABC

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Brasil/Mundo5 horas atrás

Livro baseado em fatos reais conta histórias sobre sonhos de crianças

Já dizia o dramaturgo e poeta inglês William Shakespeare: “Somos do mesmo material do que se tecem os sonhos, nossa...

Brasil/Mundo1 dia atrás

Seleção Russa bem-sucedida para a Copa do Mundo de 2022

Há vários fatores óbvios no desempenho bem sucedido da equipe

Brasil/Mundo1 dia atrás

“Foi a própria Exame que falou da relação de HIV com vacina”, diz Bolsonaro

Durante live no Facebook, Bolsonaro leu uma reportagem internacional sobre esse mesmo assunto e foi acusado de propagar notícia falsa

Brasil/Mundo2 dias atrás

Jogador do Cuiabá, diz que homossexualidade ‘é pecado’ e ‘leva à condenação’

Cristão, o atleta passou a se acusado de homofobia

Brasil/Mundo2 dias atrás

Ministro da Justiça pedirá extradição de Allan dos Santos

Torres revelou que setores da Interpol não reconhecem o pedido, pois não há crime de opinião

Brasil/Mundo4 dias atrás

Motivação de estudantes aumentou com retorno das aulas presenciais, diz pesquisa

Na opinião de pais, 87% dos filhos que frequentam as aulas presenciais se sentem mais animados

Brasil/Mundo5 dias atrás

Governo de Rondônia proíbe ‘linguagem neutra’ nas escolas

Os professores e instituições poderão ser punidos se não obedecerem

Brasil/Mundo5 dias atrás

Moraes determina prisão preventiva e extradição de Allan dos Santos

Blogueiro bolsonarista é alvo do inquérito que apura a divulgação de notícias falsas

Publicidade