Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Mundo Cristão

“Eu chorei e orei”, diz mãe que recusou aborto e testemunhou milagre

Publicado

em

Da redação 

Deanna Mckeehan (direita) e sua filha mais velha, já com 30 anos. (Foto: Pinterest)

Recentemente, Deanna McKeehan compartilhou o seu testemunho de como optar pela preservação da vida valeu a pena. Ela foi aconselhada a abortar seu primeiro filho, depois que um teste pré-natal revelou que ela tinha toxoplasmose, uma doença transmitida por gatos, que pode causar sérios problemas ao bebê durante a gestação.

“Na minha primeira gravidez eu tinha 21 anos, era muito jovem e estava muito animada”, disse McKeehan à Faithwire.

Mas depois de ouvir sobre toxoplasmose de uma colega de trabalho, Deanna procurou fazer o teste.

“Os médicos me disseram o que poderia dar errado com o bebê tendo um resultado de teste positivo – má formação antes do nascimento etc.”, disse ela.

Quando o teste deu resultado positivo, o médico de Deanna lembrou-lhe dos riscos potenciais, que incluem lesões oculares graves ou danos cerebrais. Ela foi informada de que desde que ela estava apenas em seu primeiro trimestre, seria cedo o suficiente para abortar, se ela quisesse.

“Eu estava tão chateada que não sabia o que fazer”, lembrou ela. “Eu chorei, chorei muito e orei.”

Eventualmente, Deanna e seu marido perceberam que tinham apenas uma escolha: prosseguir com a gravidez.

“Não havia Google ou pesquisa fácil à mão naquela época, o que eu acho que foi melhor na minha decisão de manter meu bebê”, disse ela. “Meu marido e eu pensamos: ‘[Aborto] de jeito nenhum, vamos assumir os riscos”.

Deanna agora tem duas filhas lindas e saudáveis, com idades entre 25 e 30 anos.

“Eu escolhi a vida porque eu queria tanto este bebê e eu simplesmente sabia em meu coração que ela ficaria bem. Eu orei sobre isso e deixei nas mãos de Deus, e me senti segura de que ele responderia às minhas orações, pedindo por um bebê saudável ”, explicou ela.

Olhando para trás, McKeehan não acha que sua decisão de escolher a vida para a filha mudou quem ela era como pessoa, embora isso tenha lhe fortalecido a sua fé na providência de Deus.

“Não posso imaginar meu mundo sem a minha filha”, disse ela. “E a fé que ela tem através do meu ensino é incrível. Eu sempre orei com minhas filhas todas as noites”.

Para outras mulheres confrontadas com a perspectiva incerta e assustadora de ter um filho com má formação ou deficiência física / mental, McKeehan ofereceu algumas palavras de encorajamento:

“Para as outras mães: orem, orem, orem e confiem em Deus dentro de seu coração”, disse ela. “E se algo der errado, apenas saiba que Deus estará lá por você e seu bebê, não importa o que aconteça.”

Com informações Guiame

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Brasil/Mundo13 horas atrás

Governo de Rondônia proíbe ‘linguagem neutra’ nas escolas

Os professores e instituições poderão ser punidos se não obedecerem

Brasil/Mundo17 horas atrás

Moraes determina prisão preventiva e extradição de Allan dos Santos

Blogueiro bolsonarista é alvo do inquérito que apura a divulgação de notícias falsas

Brasil/Mundo18 horas atrás

Covid-19: 20 milhões de brasileiros estão com a segunda dose da vacina atrasada

Índice de pessoas completamente vacinadas contra a doença já teria passado dos 80% do público-alvo, caso não houvesse atraso na...

Brasil/Mundo2 dias atrás

Governo Federal anuncia o Auxílio Brasil de R$ 400 até o final de 2022

O número de beneficiários será ampliado em relação ao Bolsa Família e deve chegar a 16,9 milhões de famílias

Brasil/Mundo2 dias atrás

Inscrições para cursos gratuitos do Google encerram nessa sexta (22/10)

As capacitações são na área de tecnologia e começam nesse ano

Brasil/Mundo3 dias atrás

Censura: Instagram retira ‘recurso de links’ de perfis conservadores

Internautas falam de perseguição política e tentativa de censura

Brasil/Mundo4 dias atrás

Lego anuncia brinquedos sem gênero para influenciar crianças “contra o preconceito”

Para a marca, acabar com o “estereótipos nocivos” vai ajudar as crianças a não serem preconceituosas

Brasil/Mundo4 dias atrás

Por reclamarem de banheiro coletivo unissex, Joana Prado e Vitor Belford perdem patronício

A empresa foi pressionada por internautas para romper contrato com o casal; usuários da rede alegam de "transfobia"

Publicidade