Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Política

Flávio Bolsonaro se filia ao Patriota e legenda fará convite ao presidente Jair Bolsonaro

A filiação de Bolsonaro à legenda, contudo, ainda não foi oficializada.

Publicado

em

O presidente Jair Bolsonaro vai se filiar ao partido Patriota para disputar a reeleição em 2022. A informação foi publicada nesta segunda-feira (31) pelo site O Antagonista. A filiação de Bolsonaro à legenda, contudo, ainda não foi oficializada.

Apesar disso, o senador Flávio Bolsonaro (RJ) ingressou no Patriota durante convenção da sigla realizada nesta segunda. No encontro, Flávio afirmou que, com a chegada do seu pai, o Patriota será um partido maior que o PSL. “Agora, com Bolsonaro na Presidência da República, não tenho dúvida que a gente pode construir partido maior ainda que o PSL”, disse. Na semana passada, Flávio saiu do Republicanos.

Em postagem nas redes sociais, Flávio Bolsonaro disse que participou diretamente da refundação da sigla em 2018, desde a elaboração de seu Estatuto, com previsão inédita de ser o primeiro partido de direita do Brasil, até a escolha do nome “Patriota”.

Durante a filiação do senador, o presidente nacional do Patriota, Adilson Barroso, afirmou que o convite também havia se estendido a Bolsonaro. Segundo Barroso, o presidente pretende se filiar “sem pedir uma bala” em troca.

Apesar da filiação do senador Flávio Bolsonaro (RJ) e da sinalização de filiação do presidente Jair Bolsonaro ao Patriota, uma ala do Patriota recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para frear as articulações. O grupo, ligado ao vice-presidente da sigla, Ovasco Resende, acusa Adilson Barroso de alterar o estatuto partidário e destituir diretórios regionais para abrigar aliados de Bolsonaro.

Em edital de convocação nacional do partido publicado no último dia 26, Adilson Barroso chamou os integrantes da sigla, para entre outros temas, deliberarem sobre a filiação partidária de novos membros. A reunião ocorreu nesta segunda-feira (31), no município de Barrinha, no interior de São Paulo.

Conforme a petição protocolada no TSE e obtida pela Gazeta do Povo, o grupo acusa Adilson Barroso de substituir ao menos quatro delegados e de criar outros três para conseguir maioria para aprovação da filiação do presidente Bolsonaro. Pelo estatuto do Patriota, candidatura majoritária à presidência precisa ser aprovada por toda a executiva do partido.

 

Com informações Gazeta do Povo

 

PUBLICIDADE