Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Tocantins

Inscrições para seleção do Colégio da Polícia Militar finalizam no dia 30

Publicado

em

314459_700

São ofertadas 735 vagas para novos alunos, distribuídas entre as unidades de Palmas e Araguaína.

O Colégio da Polícia Militar (CPM) está com inscrições abertas para o Processo Seletivo 2017. São ofertadas 735 vagas para novos alunos, distribuídas entre as unidades de Palmas e Araguaína. Aos interessados, as inscrições se encerram na quarta-feira, 30 de novembro, no site da Polícia Militar (www.pm.to.gov.br).

Nas unidades de Palmas, há disponibilidade de 130 vagas para o ensino fundamental (6º ao 9º ano), 230 para o ensino médio técnico em redes de computadores (integral), 25 vagas para o ensino médio técnico em instrumentos musicais (integral) e 170 para o ensino médio regular (integral).

Já na Unidade de Araguaína, serão 180 vagas para o ensino médio regular, distribuídas entre os períodos matutino e vespertino. As avaliações serão objetivas de caráter eliminatório, nas disciplinas de língua portuguesa e matemática, elaboradas e corrigidas pelo Sistema de Avaliação da Aprendizagem Permanente do Estado do Tocantins (Sisapto).

Com mais de 1.800 inscritos até o momento, a data provável de aplicação das provas será no dia 11 de dezembro e os locais serão divulgados em data oportuna pela comissão organizadora do certame. Os estudantes deverão fazer as provas na cidade que optarem estudar.

É importante que o aluno fique atento ao regulamento e se inscreva o mais rápido possível para evitar o congestionamento das páginas, bem como para não perder o prazo. Ainda lembrando que a documentação é de apresentação obrigatória para ter acesso à seletiva.

Sobre o Colégio da Polícia Militar (CPM) O Colégio da Polícia Militar de Palmas foi instalado no dia 18 de agosto de 2009. A instituição de ensino é administrada por meio de uma cooperação técnica entre a Polícia Militar (PM) e a Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc), onde a PM imprime características próprias de preparar os alunos, com disciplina e metodologia educacional, orientando-os sobre cidadania e ética, trabalhando de forma positiva as habilidades e as competências desses alunos, e preparando-os para serem bem-sucedidos em quaisquer áreas de suas escolhas.

Assim, foram implantadas as unidades I e II, respectivamente de ensino fundamental e médio. E, no início do ano de 2016, foi criada a Unidade III do CPM Araguaína em atendimento ao público estudantil e a comunidade que há tempos almejava o suporte de ensino militar dentro do município.

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Brasil/Mundo13 horas atrás

Governo de Rondônia proíbe ‘linguagem neutra’ nas escolas

Os professores e instituições poderão ser punidos se não obedecerem

Brasil/Mundo17 horas atrás

Moraes determina prisão preventiva e extradição de Allan dos Santos

Blogueiro bolsonarista é alvo do inquérito que apura a divulgação de notícias falsas

Brasil/Mundo19 horas atrás

Covid-19: 20 milhões de brasileiros estão com a segunda dose da vacina atrasada

Índice de pessoas completamente vacinadas contra a doença já teria passado dos 80% do público-alvo, caso não houvesse atraso na...

Brasil/Mundo2 dias atrás

Governo Federal anuncia o Auxílio Brasil de R$ 400 até o final de 2022

O número de beneficiários será ampliado em relação ao Bolsa Família e deve chegar a 16,9 milhões de famílias

Brasil/Mundo2 dias atrás

Inscrições para cursos gratuitos do Google encerram nessa sexta (22/10)

As capacitações são na área de tecnologia e começam nesse ano

Brasil/Mundo3 dias atrás

Censura: Instagram retira ‘recurso de links’ de perfis conservadores

Internautas falam de perseguição política e tentativa de censura

Brasil/Mundo4 dias atrás

Lego anuncia brinquedos sem gênero para influenciar crianças “contra o preconceito”

Para a marca, acabar com o “estereótipos nocivos” vai ajudar as crianças a não serem preconceituosas

Brasil/Mundo4 dias atrás

Por reclamarem de banheiro coletivo unissex, Joana Prado e Vitor Belford perdem patronício

A empresa foi pressionada por internautas para romper contrato com o casal; usuários da rede alegam de "transfobia"

Publicidade